Onde a magia acontece – capítulo 3

Durante o caminho entre o café e o estúdio, deixamos de lado um pouco o assunto “fotos” e conversamos sobre nossa relação, nossas origens. Denise nos contou como surgiu o gosto pela fotografia, da mãe falecida e das influencias de seu pai.

_ É aqui neste prédio, chegamos. Pode parar o carro por aqui.

Denise residia em um prédio de 5 andares, bem antigo. Ele fazia esquina para uma rua de grande movimento da cidade e um beco, que durante o dia ficava bem movimentado, repleto de lojas comerciais. Mas quando anoitecia, se transformava em um ambiente sombrio e até um pouco perigoso. Suas marquises, nesta hora, davam espaço para sem tetos e alguns usuários de drogas. Na outra extremidade, o beco dava acesso a uma outra rua da região, bem próxima ao calçadão do comércio.
Paramos o carro bem em frente e subimos três lances de escadas. Já era tarde, mas ainda haviam crianças brincando na recepção do prédio.Quando entramos no apartamento, avistamos uma belíssima decoração. Um misto de contemporâneo com uns toques de elementos mais antigos, com um pezinho na cultura indiana. bem a cara daqueles spas de relaxamento. Um ambiente bem agradável e acolhedor.

_ Vou fazer mais um café para nós. Fiquem à vontade.

Rodrigo sentou no sofá e tomei a liberdade de olhar a prateleira de livros. Lá encontrei diversos títulos, dos mais variados assuntos. Arqueologia, muitos de fotografia, é claro; Osho, Kama Sutra, Tantra, que me chamaram a atenção. E os mais inusitados, falando sobre fusca. Sim, o carro.

Fomos surpreendidos pela volta de Denise. Com apenas uma camiseta regata branca deixando a lateral dos seios um pouco à mostra. E um shorts jeans, que revelava de vez seus quilinhos a mais, e várias outras tatuagens que havíamos visto anteriormente, pelo Instagram.

_ Qual mais gostou? Disse ela.
_Jamais imaginaria que uma fotógrafa seria fã de fusca.
_ Pois é, mais uma influência do meu pai. Ele é um apaixonado por fuscas, e em toda sua vida, só teve fuscas. Não consigo relembrar da minha infância dentro de outro carro. Cresci e acabei me apaixonando por eles também. Gosto do seu design, das curvas deles; lembram as curvas femininas. O capô, por exemplo, parece muito com a sua bunda linda Liz, completou ela, rindo e olhando fixamente para meus olhos, me deixando um pouco desconsertada.
_ Eh… e por que não tem o seu? Respondi, timidamente.
_ É o meu sonho, pretendo comprar ou reformar um em breve.
_ Vai conseguir logo, vai ter muito sucesso como fotógrafa, seu trabalho é fantástico, disse Rodrigo.
_ Deus te ouça… Então, é aqui que eu vivo. Gostaram? Tem dois quartos: o meu e outro utilizo como estúdio. Um banheiro e uma pequena cozinha com a área de serviço conjugada.
_ Sim, gostamos muito, É bem aconchegante. Você mora sozinha aqui?
_ Sim. Ainda busco o amor da minha vida. Mas enquanto ele não vem, me divirto com alguma amiga ou outra.

Nos olhamos novamente.

_ Amiga? Só namora mulheres? Perguntei.
_ Sim, não tenho paciência pra homem. E pinto que cresce e goza dentro de mim, jamais. Pinto pra mim tem que ser de borracha e vir com peito e buceta (risos).
_ Já foi chupada por uma mulher, Liz?

Abismada com nossa fotógrafa audaciosa e cheia de perguntas, fingi que não ouvi.

_ Isso é um não, já entendi. Devia experimentar. Não vai querer outra língua em você. Venham, venham conhecer o estúdio!

Denise fez do quarto principal – um pouco maior que o outro – o pequeno estúdio. Assim que entramos, ela acendeu as luzes e fechou a cortina preta, eliminando a pouca luminosidade que vinha de fora. O quarto não tinha nada além de uma mesa com um notebook, uma prateleira de metal repleta de lentes de câmeras, cd’s e dvd’s. Também 2 pedestais com lampadas de iluminação e um qie acredito ser um flash. Uma cadeira e uma sombrinha armada. Em uma das paredes, Denise adaptou para aqueles fundos curvos pra dar a noção de infinito.
_ E então? O que acharam?
_ Bonito, simples e muito funcional. Gostei muito, falou Digo.
_ Obrigado! Você realmente é observador! Procurei buscar isso mesmo, respondeu ela, ligando um dos holofotes e entrelaçando a alça da câmera na mão esquerda.
_ Tire a roupa, Liz.

Tomei um susto.

_ Oi? Como assim? Não iríamos combinar outro dia para a sessão?
_ Sim, hoje não serão fotos oficiais. Vamos Liz, só quero testar a iluminação em seu corpo. Quero entregar para vocês o melhor resultado. Se quiser, pode usar o banheiro, enquanto ajeito umas coisas.

Rodrigo abriu um sorriso. Respirei firme e resolvi ficar ali mesmo. Afinal, ficar nua não era problema. Mas aquela nova situação passou a gerar uma certa tensão em mim.

_ Rodrigo, se incomoda em colocar esta cadeira ali no centro?

Ele ficou sem entender, mas atendeu ao pedido. Agarrou a cadeira e levou para o meio do pequeno quarto.
Denise não tirou os olhos de mim enquanto tirava a roupa. Estava concentrada nos ajustes para as fotos, mas fugia a atenção em minha direção sempre. Pensei: calma Liz, ela vai te fotografar, é so um trabalho… Mas ela acabou de dizer que é lésbica! Será? Ai meu Deusss!

_ Vou procurar valorizar cada curva desse seu corpo lindo Liz. Senta ali na cadeira.
_ Tá certo.

Nossa fotógrafa girou um pedestal pra direita, pra esquerda, se posicionou em.minha frente e começou a clicar.

_ Se já viu outros ensaios já sabe o que tem que ser feito né?
_ Acho que sim, respondi.
_ Então vamos lá querida. Vou te ajudando, certo?
_ Ok. Respirei fundo e olhei para Rodrigo. Ele estava em pé, encostado no batente da porta. E parecia hipnotizado.
_ Eh, o que eu faço? Estou meio perdida com os braços…

Rodrigo, mais tarado impossível, já estava com o celular na mão para também registrar o momento.

_ Cruze as pernas, apoie os braços nos encostos.da cadeira. Isso… Agora coloque sua cabeça para trás.

E assim fiz.

_ Ótimo.
_ Com os olhos fechados e ainda um pouco nervosa, pude ouvir uma sequência grande de clicks que vinham da câmera de Denise.
_ Agora quero que nesta posição você descruze as pernas e abra elas um pouco…

Descruzei, mas não conseguia abri-las. Algo me travou e aquilo que aparentemente parecia fácil começou a ficar complicado.

_ Tudo bem? Disse Denise.
_ Sim, acho que estou um pouco nervosa, só isso.
_ Não se preocupe. Se solte, relaxe. Recomeçamos. Rodrigo que tal colocar este celular no bolso e pedir uma comida para nós? Tem dinheiro em cima da mesa da sala.
_ Claro vou pedir. O que prefere?
_ O que você decidir está bacana, Denise respondeu.
_ Certo, mas deixe que eu acerto a conta.
_ Como quiser. Agora me deixe um pouco a sós com Liz.
_ Tudo bem. E saiu parecendo aqueles garotos de colégio que acaram de levar uma bronca da professora.

Eu estava ali, nua, e nervosa na frente de uma desconhecida fotógrafa lésbica. Não conseguia encarar Denise de frente. Percebi que ela voltava a fazer alguns ajustes na iluminação. Então plugou a câmera no notebook, que já estava ligado e escolheu uma das poucas fotos que havia tirado.

_ Esta é você. O que acha?
_ Nossa… Ficou linda!

Denise então me abracou por trás. E senti meu corpo arrepiar de cima abaixo.

_ Pode ficar muito melhor, ela disse, esticando o pescoço para o lado, em direção à tela. Mas precisa me ajudar.
_ Sim eu sei, vou tentar.
_ Você quer fazer isso? Ou é um desejo só dele?
_ Partiu de Rodrigo sim. Relutei no começo. Mas depois passei a curtir a ideia. Por isso estamos os dois aqui.

Ficamos em silêncio por uns instantes. Denise passou por mais umas duas ou três fotos. Eu olhava fixadamente para a tela do computador, procurando descobrir qual Liz deveria estar ali.

_ Ei, exclamou.
_ Olhei para o lado e nos encaramos.

Ela segurou em.meus braços e disse:

_ Traga pra cá a Liz que fez você vir até mim.

Nossos olhos não conseguiam desgrudar um do outro. Senti uma atração louca, diferente. E numa reação impensada, quase irresponsável, beijei Denise. Nossas bocas se encontraram estáticas. Mas antes que elas se soltassem, Denise me abraçou forte. E então nossas línguas se cruzaram num amasso quente e demorado. Um beijo de cumplicidade única, um beijo de entrega.

_ Desculpe, eu não queria…
_ Não? Me entristece dizendo isso, Liz.
_ Não, calma. Meu corpo quis sim. Mas não foi certo.
_ Se foi certo ou não, nós vamos descobrir. Mas foi bom.
_ Sim, foi muito bom. Sorrimos.
_ Vamos tentar de novo?
_ Sim.

(continua…)

Decidimos voltar ao Instagram, até ele nos bloquear de novo. Nos sigam por lá! @lizedigo

Seiren

Se tem algo que nos deixa excitado é uma boa história, uma trama bem contada. Acho que é por isso que decidimos levar as nossas histórias e fantasias pra vocês. Ainda estamos aprendendo, mas torcendo para que nossos leitores, que tem aumentado a cada dia, estejam gostando e fantasiando conosco.

Há alguns dias, descobrimos um site muito bacana, especializado em quadrinhos eróticos. Gostamos tanto, que resolvemos assinar: Seiren. A assinatura é super barata e a quantidade de quadrinhos é enorme. Acredito que não lemos nem a metade ainda.
Mas um deles ganhou destaque, e vou falar, conseguiu me deixar de pau duro e Liz bem molhada. “Ousadias de Casal” é o nome. Dividido em 5 capítulos (espero que venham mais), ele conta, é claro, sobre as aventuras sexuais de um casal apaixonado. Uma narrativa bem elaborada e ilustrações campeãs de um super profissional chamado Nill. Destaque também para uma versão bem humorada dos Flintstones. Wilma e Welma super gostosas e safadas!

A Nill e toda equipe Seiren nossos parabéns e nossos agradecimentos, afinal nossos objetivos se cruzam de maneiras semelhantes: proporcionar tesão e belos orgasmos através de nossas histórias.

Quem sabe eles não resolvem um dia transformar a Histórias de Liz em quadrinhos?

Pool party – capítulo 9

Do parapeito da varanda pude ver Rodrigo nadando até Milena. Enquanto ela se dedicava em sugar o pau de Christian carinhosamente, meu noivo passou a acariciá-la, e logo deu para perceber que os dedos de uma das mãos já estavam brincando com a buceta dela. Os movimentos eram tão claros que faziam nossa amiga tirar a boca do chef para gemer gostoso. Por vezes, olhava para Rodrigo com aquela cara safada em sinal de aprovação e novamente abocanhava o pau de Christian. Este por sua vez, delirava de tesão e segurava os cabelos longos de Milena, como num filme pornô, onde a câmera precisa captar o melhor ângulo da cena. E naquela hora, os espectadores eramos nós.

Era uma cena tão excitante que havia esquecido completamente de Roberto. Mas lá estava ele, concentrado no que estava presenciando, com uma das mãos segurando o copo de whiski e com a outra apalpando firme, por fora da bermuda, seu membro, em movimentos intensos. Nestas horas a cabeça não pensa, e nossos corpos são controlados unicamente pelo prazer, pelas sensações. Sai de onde estava, fiquei de frente para aquele homem que acabara de conhecer, e sem dizer uma palavra, comecei a dançar ao som da música e fazer um strip tease. A partir dali ele esqueceu quem era sua esposa, o chefe de cozinha e seu convidado. Seus olhos estavam direcionados unicamente para mim. Eu era seu brinquedo, a sua puta da boate. Cada peça de roupa que eu tirava arremessava em sua direção.

_ Você é muito mais gostosa aqui de perto! Isso meu amor tira tudo, dizia ele.

Até que sobraram apenas o salto e a calcinha.

_ Quer ela pra você?
_ Quero muito, tira quero sentir seu cheiro nela, disse ele.
_ Então me mostra o seu pau.

De uma só vez, ele tirou a bermuda e a cueca que naquela hora o incomodavam, colocando a mostra um pinto imenso e grosso, colocando por terra tudo aquilo que eu imaginei inicialmente dele. Broxa, pinto pequeno? Meu Deus, esse cara vai me arrombar!

_Você quer que eu tire, safado?
_ Quero!

_ Então mexe nele, deixa essa vara enorme dura pra mim.

Minha buceta já estava encharcada. Cheguei então bem perto dele e me virei de costas, abaixando a coluna e empinando minha bunda para que pudesse apreciar meu corpo pelo ângulo mais gostoso. O copo de whiski já havia desaparecido e duas mãos agora me acariciavam. Então, ao movimento da música gostosa que nos guiava, sentei no colo de Roberto, ainda de calcinha, roçando aquele pau enorme no meio de minhas pernas. Ele tremia e se segurava no braço da cadeira. Em certos momentos me abraçava apalpando os seios. E de costas para Roberto pude ver o que acontecia com as outras pessoas da casa. Naquele momento, vi meu homem e o chef de cozinha em pé, um de frente para o outro, enquanto Milena, de joelhos, preocupava-se em punhetar e sugar ambos os membros, alternadamente, dentro de sua boca. Uma cena maravilhosa de se ver. Dois machos nus e sarados sendo devorados por uma coroa igualmente gostosa e pervertida.

Naquela hora já não havia mais ciúmes. O ambiente exalava prazer, tesão, satisfação!

Minha xaninha ardia de tesão e só um pau dentro dela faria-a acalmá-la. E ele estava ali, duro no meio de minhas pernas. Na mesa próxima, um punhado de preservativos estrategicamente aguardando para serem usados. Me levantei e, como prometido, tirei a calcinha e a arremessei para aquele macho sedento por sexo. Com um sorriso ele agradeceu e a levou até seu nariz, extasiado.

Me ajoelhei em frente a ele e comecei a mamar naquele pau grande e cheiroso apenas para deixá-lo em ponto de bala. Então, de frente, sentei no seu colo, fazendo com que ele me preenchesse por completo. Nossas bocas se encontraram; suas mãos em minhas nádegas serviram de apoio para que eu pudesse comandar o entra e sai do seu pau gostoso. Como isso é bom! Iniciar as estocadas ao ritmo da música em movimentos suaves; para então, momentos depois, acelerar, e novamente diminuir. Você vai fazer um cara nunca mais esquecer daquela trepada.

Roberto estava alucinado. Beijava minha boca e meus seios como se eu fosse a mulher dele. Nas horas em que eu acelerava os movimentos, ele me agarrava com força como se aquilo o fizesse controlar o orgasmo.

_ Ainda não, eu quero muito dessa pica gostosa!
_ Vem bebê, como rebola gostoso, disse ele, inclinado meu corpo um pouco para trás e segurando meus cabelos.

Definitivamente, acabava de aprender que quando o sexo é bom, quando o cara sabe te deixar louca, o corpo é o que menos importa. Esqueci do mundo sentada naquele macho gostoso. Mas logo lembrei do meu homem, aquele que vai me comer o resto da vida.

E lá estava ele, agora num delicioso 69 com Milena à beira da piscina. Christian de pé, em frente a ela, exibindo sua ferramenta dura, segurava seus cabelos como um rabo de cavalo. Ela, como um agradecimento, em determinados momentos, levantava o tronco e também o presenteava com sua boca gulosa. Mas peripécias sexuais num chão duro à beira da piscina não devem ser nada agradável, e não demorou muito para que eles deixassem a área externa. E foi naquele momento em que Digo pode finalmente prestar atenção no que eu estava fazendo.

(continua…)

Nosso primeiro post

Este é um blog para os apreciadores da leitura erótica. Aqui nós vamos dividir com vocês aquilo que gostamos de falar ao pé do ouvido, quando estamos na cama, em nossa mais profunda intimidade. Sim, nós somos um casal bem pervertido e quem sabe um dia as histórias que vocês vão ler aqui, periodicamente, virem uma gostosa e inesquecível realidade. Comentem, critiquem, excitem-se, divirtam-se e gozem com as Histórias de Liz.

Beijos e abraços,

Liz & Digo
@casalcuidadoso