Dominadora – Capítulo 11

  _ Seu gosto é bom moça. Esfrega mais.
_ Limpa minha buceta toda Aílton! Humm, nossa, que gostoso!
Não sei onde estava com a cabeça. Rodrigo à quilômetros de distância e eu esfregando minha xaninha melada de gozo no rosto de um desconhecido. Mas Aílton tinha uma língua maravilhosa e sua boca, sua barba por fazer, roçando minha pele, me davam arrepios e me faziam tremer, de cima a baixo.
Extasiada e cansada, me deitei sobre o corpo dele, ainda com as pernas abertas e a bunda próxima ao seu rosto. Me aninhei em sua virilha, frente à frente com a cabeça do pau, que ainda estava amolecido, mas já ameaçava algum movimento. Então resolvi testar a capacidade de recuperação de nosso ajudante. Comecei a passar a ponta da língua na sua glande. Recebi em troca movimentos involuntários. Então, me estiquei um pouco mais e coloquei ela toda na boca, mamando bem devagar. Às vezes tirava e observava. Mas, quando segurei com os dentes a base da cabeça e comecei a passar a língua em toda sua extensão, a reação foi imediata. Senti ele crescendo e endurecendo novamente.
Então olhei Denise. Estava parada no rio, de costas pra nós, parecia pensativa. Frustrando qualquer nova expectativa de Aílton, larguei o membro dele, levantei e caminhei lentamente até a água. Enquanto me aproximava, Denise submergiu. E, ao mesmo tempo mergulhei, em sua direção. Voltamos à superfície praticamente juntas. Ela se assustou com minha presença. Eu precisava saciar aquele desejo que me consumia, de vez. E não ia existir melhor oportunidade. Não como aquela, onde tudo era perfeito e favorável. Nosso encontro definitivo tinha que acontecer naquela hora.
Abracei-a por trás, lambendo e beijando seu pescoço:
_ Gostosa, eu quero você, preciso de você, falei.
_ Ai, Liz, como você demorou, como pode ser tão insaciável?!
_ Sou. Mas agora sou sua, é só o que importa.
Os bicos dos seios volumosos de Denise estavam duríssimos; ela sussurrava baixinho a cada beliscãozinho que eu dava neles. Meus dedos molhados também sabiam tocá-los, suavemente, provocando arrepios. Como era bom apertá-la, toda fofinha, mas com tudo no lugar, durinha. Uma delícia de mulher! Percorria com as mãos todo seu corpo molhado e quente. A água e o sol que invadiam nossos poros. Minha fotógrafa já estava entregue. Primeiro no estúdio, depois no carro. Sabíamos que uma hora aquilo ia acontecer.
Toquei sua virilha e comecei a acariciar seus pelinhos. Desci um pouco mais, e pude preencher minha mão com uma buceta grande e macia. Na hora desejei ela na minha boca. Não demorou para que eu encontrasse seu grelo. Denise gemeu forte, ergueu os braços, e entrelaçou os dedos atrás do meu pescoço.
_ Ahhhhh! Assim…
Virou-se para cima e seus olhos me encontraram.
_ Você é a mulher mais gostosa que eu já toquei. Desejei você desde o primeiro momento que te vi. E me beijou… um beijo ainda mais quente e gostoso que os anteriores.
Denise se virou e nos ajoelhamos, uma de frente para a outra, ficando apenas com as cabeças para fora da água. Nos abraçamos forte e ela se pendurou no meu pescoço, cruzando as pernas por trás de mim, como se estivesse no meu colo. Nossas bocas não se desgrudavam um segundo. Turistas poderiam aparecer a qualquer hora. Um risco enorme. Mas nada tiraria aquele momento de nós duas.
Aílton… Onde vocês estariam se estivessem na pele do Aílton? Claro, dentro da água, próximo a nós, se masturbando, com aquela respeituosidade de sempre. Um homem todo “bruto”, mas que soube entender que aquele lance era só nosso. Que não haveria espaço pra mais um. Então, o restava vistoriar todos os lados, em busca de um bote chegando ou de pessoas observando. Mas também olhava para nós, cheio de desejo. A água chacoalhava perto dele. Era sua mão, manobrando sua pica grande, em busca de mais um orgasmo.
Denise estava “pendurada” em mim. Meu braço direito a enlaçava pelas costas e minha mão direita aproveitava para desvendar sua buceta gostosa. Comecei acariciando seu clitóris, lentamente, e assim que percebi que ela estava lubrificada, coloquei o dedo médio dentro dela. Sua reação foi pressionar meu corpo contra o dela ainda mais. Aos poucos ia acelerando os movimentos. E não demorou para o dedo indicador também fazer parte da brincadeira. Denise gemia alto:
_ Ahhhh, puta que pariu, Liz, não tô acostumada com uma mulher me dominando, hummm, isso!
_ Prefere estar no meu lugar, é?
_ Até hoje eu preferia, mas com você é diferente… ai!
_ É? Sou sua putinha gostosa sou?
_ Você é um tesão, gata!
_ E você é minha “bolacheira” safada. Vou fazer você gozar gostoso!
_ Isso, faz, eu quero, muito. Ahhh!
Aquilo era novidade pra mim. Nunca imaginei que outra mulher ia me proporcionar um sarro tão gostoso. Amassos, apertões, beijos, mordidas, carícias. Trepar com homens é bom demais, mas com outra mulher é ainda melhor. Uma mulher entende o que a outra quer, e como quer. Porque é exatamente isso que ela também deseja. E, particularmente, aquela situação revelava em mim uma mulher dominadora, que até então não sabia que existia. Não sei se era porque já havia gozado na cara de Aílton, estava teoricamente “satisfeita”, mas estar no comando era novo, intenso e sensacional.
Nossos corpos pareciam ímãs dentro da água. Denise demonstrava querer ficar ali mesmo, gozar ali mesmo. Mas eu precisava explorar mais aquela nova situação. Nos soltamos e virei em direção à margem. E levei Denise comigo, puxada pelo braço. Aílton continuava ali, ao lado do bote, sentado e atento a tudo, apalpando sua pica como um adolescente punheteiro. Saímos da água e fiz minha fotógrafa deitar na areia, perto da margem. Deitei por cima dela, encontrei sua boca, mais uma vez. Era hora de percorrer todo seu corpo com a língua.
(continua…)
* Que delícia quando recebemos pedidos para publicarmos fotos de nossos leitores no blog. Muitos relatam que gozam lendo nossos contos e, para nós isso é a recompensa. As fotos deste capítulo são dos queridos @coupletesao. #adoramos

Ajudinha ao ajudante – capítulo 10

_ Bora, Liz. Coloque este biquíni.
_ Ok.
Olhei para os lados e não havia ninguém além de nós. Então saquei o shorts, a camiseta e, por último, a parte da baixo do biquíni que havia colocado ainda dentro do carro. E percebi que Aílton me olhava incansavelmente, talvez ainda não acreditando que eu faria fotos nuas no barco dele, bem embaixo dos seus olhos. O bote estava num local um pouco fundo e, de dentro água, sua visão estava um pouco prejudicada. Mas, por uma ou duas vezes, fiz questão de abrir as pernas enquanto colocava um dos biquínis que usaríamos nas fotos, pra que ele pudesse apreciar o que, com certeza, já havia imaginado em sua mente pervertida. A tensão era clara em seu corpo. Ficava ali, estático, me olhando, mas quando eu devolvia um sorriso maroto em sinal de aprovação, ele virava o rosto, meio envergonhado, como se estivesse procurando algo pra fazer.
_ Tudo pronto aqui, iluminação natural e perfeita. Vamos tentar algumas poses, Liz.
_ Já te disse que não estou muito acostumada com isso, então tenha paciência comigo. Ainda mais, assim, à céu aberto.
_ Quero apenas que olhe para a natureza. Pode inclinar seu pescoço para cima, em direção ao céu. Depois para baixo. Olhe para seu corpo. Sentada mesmo. Movimente um pouco as pernas, quando quiser. O resto é comigo, ok?
_ Assim? (Click, Click, click)
_ Isso, ótimo! (Click). Em mim agora. Olhe pra mim com desejo. Você consegue! (Click! Click!)
_ Hum, Isso é fácil, respondi.
_ Não me provoca sua doida… Aí, garota! Ótimo (Click, click)! Senta no chão do bote. É apertado mas acho que dá…
_ Assim?
_ É. Segure nos seus seios, com as duas mãos embaixo dele, como se fosse levantá-los. Olhe pra eles… tire o biquini devagar, por cima. Legal! Já te disse que tem seios lindos? Sou doida neles.
_ Você é uma safada, isso sim!
_ Então somos duas… Apoie um dos cotovelos no assento. Quero que com a outra mão puxe a calcinha para o lado. Me mostra essa bucetinha linda… Boa garota! Está bem? Tá relaxada?
_ Acho que sim.
_ Continue assim. Só estamos nós aqui, se passar algum bote com turistas, paramos e você se cobre.
_ Sei, eu vi lá na estrada.
_ Menina, ali era a foto perfeita, não poderia perdê-la! Prometo que não farei de novo. Confie.
_ Ta certo.
 
A sessão de fotos seguiu em frente. Que manhã gostosa! Lugar lindo, sol, céu azul, obra de Deus. Trocas de biquínis, fotos somente coma parte de baixo, sem biquíni. Já estávamos na beira do rio. Bote “encalhado” na areia. Aílton ia perdendo a timidez e se tornando um misto de ajudante e expectador. Já havia enterrado um guarda sol para nos proteger durante as pausas. O calor era grande e as fotos já não aconteciam somente dentro do barco. Na areia e próximo ao manguezal também. Sempre muito prestativo, ele era o responsável por colocar a toalha em mim, sempre que pessoas em outros poucos barcos de turistas se aproximavam. Quem passava, percebia na hora que estávamos ali a trabalho. As garrafinhas de água que nos refrescavam, vinham de um isopor cheio de gelo, que ele mesmo tratou de preparar, antes da nossa partida. Entre uma pausa e outra, eu entrava novamente naquele rio de águas calmas e claras para baixar a “quentura” do corpo. Quando ficava nua, era tomada por uma sensação deliciosa, que me fazia ainda ter mais vontade de conhecer uma praia naturista. Tirar a roupa diante da natureza me fazia sentir parte dela.
Denise, a cada click, revelava ser, cada vez mais, a excelente profissional que imaginávamos, desde o início. Muito detalhista, não parava de fotografar um instante, mesmo quando não estávamos concentradas naquilo. Percebi que ela não queria fotografar apenas a Liz vadia do noivo, mas também uma outra Liz. A Liz do dia-a-dia, a menina ao mesmo tempo tímida, sonhadora, forte, intensa e determinada. Já nosso ajudante parecia feliz, sorriso largo, dedicado ao extremo, sem tirar os olhos de nós, talvez porque sabia que não aconteceria outro passeio como aquele. E o bichinho gostava muito do que estava vendo. Volta e meia eu o pegava mexendo no seu pau por fora da bermuda, como aqueles adolescentes diante do primeiro filme pornô, sabe?
Num dos raros momentos de descanso, estávamos os três sentados na areia, eu enrolada na toalha, entre Denise e Aílton, e resolvi provocar:
_ Tá gostando, Aílton? Obrigada por seu apoio, viu?
_ Nossa, vocês são bonitas mesmo, e gente fina.
_ Olha pra Denise, recebendo elogios!
_ Hum, tá certo…
_ Gosta do corpo da Denise também, Aílton?
_ Menina, quer parar com isso? Retrucou ela.
_ Nossa, muito! É o meu número.
_ Hahahaha, hoje sai romance daqui.
_ Tá maluca garota? Aílton, nem começe. Eu gosto da mesma coisa que você.
_ C c c c c como assim? Você é…
_ Bolacheira sim! Esse termo nojento que o povo daqui inventou pra quem, como eu sai com mulher.
_ Ah, desculpe, moça, ligue pra mim não, eu dou muita bola fora.
_ Tá perdoado. Mas fiquei feliz que me achou bonita.
_ Você é linda Denise, por dentro e por fora, reforcei.
Nos olhamos e sorrimos, uma para a outra.
_ Bora trabalhar?
_ Ah, chefa, espera mais um pouco, vamos curtir esse lugar lindo.
_ Quinze minutos e retomamos, certo?
_ Claro, relaxe ai um pouco e vamos aproveitar esse sol.
_ Tudo bem garota. Estava até afim de mergulhar um pouco.
Denise levantou-se, olhou por uns instantes ao redor e, surpreendentemente, levou ao chão seu biquíni, ficando completamente nua, para delírio meu e de Aílton.
_ Meu Jesus! Exclamou nosso ajudante.
_ Uhú, gostoooooosa! Gritei alto.
Sem olhar pra trás, ela desapareceu nas águas calmas e claras.
_ E, me conte Liz, essas fotos, vão aparecer em alguma revista?
_ Não, amigo. Eu e meu noivo contratamos Denise para que fizesse umas fotos íntimas minhas, é um presente pra ele.
_ Sério? E tem gente que gasta dinheiro com isso? Porque ele mesmo não veio fazer?
_ Porque são fotos profissionais, diferenciadas. Tú tem Whatsapp, Aílton?
_ Tenho.
_ Então, depois que estiverem prontas, envio algumas pra você ver. E aproveito pra marcar um passeio com meu noivo aqui pra você conhecê-lo.
_ Mas vai contar pra ele que eu estou aqui com vocês?
_ Claro que sim. Não escondo nada dele.
_ Mas ele vai ficar com ciúmes.
_ Relaxe, ele vai ficar é muito excitado.
_ Excitado? Como pode?
_ É. Posso te contar um segredo? Já transei com ele e um amigo juntos.
_ Meu Jesuis!  Botou gaia nele na frente dele?
_ Digamos que sim. E ele gostou. Trepamos nós três.
_ Nossa dna… Liz. Eu eu..
_ Você o que? Fala homem! Já sei, você tá de pau duro, Aílton?
_ Eh… estou.
_ Mostra ele pra mim.
_ Aqui?
_ Ué? Só estamos nós! Olha isso aqui.
Abri a tolha que me cobria e fiquei nuazinha mais uma vez na frente daquele homem.
_ Gosta disso Ailton?
_ Muito, vontade de lhe agarrar.
_ Olha minha buceta. Esta rapaspadinha. Aposto que nunca comeu uma buceta como esta.
_ Nunquinha.
_ Se me mostrar seu pau deixo você pegar nela, que tal?
Nosso ajudante não pensou duas vezes. Levantou-se e abaixou a bermuda na minha frente, colocando a pica dura bem perto do meu rosto. Era um pouco curvada para o lado esquerdo e num tamanho bem interessante para um cara pequeno como ele. Por entre as pernas dele vi Denise, dentro da água, nos observando. E antes que ele pudesse pensar em chegar perto para que eu o chupasse, deitei na areia e abri a pernas pra ele.
_ Fica ai. Quero que bata uma punheta bem gostosa, olhando pra mim. Olha minha buceta como está melada. Seu pau está me deixando excitada…
_ Ai moça como a senhora é gostosa!
_ Você é um safado, Aílton. Aposto que está com vontade de gozar desde a hora que me viu pelada pela primeira vez.
_ Quero gozar em você!
_ Faz quanto tempo que não vê uma buceta, Aílton? Perguntei, me tocando e introduzindo os dedos na minha xaninha melada, bem provocativa.
_ Muito tempo, dona.
_ Vem cá deixa eu pegar nele.
Sentei novamente e deixei ele se aproximar. Aílton não era um homem atraente. Jamais transaria com um homem como ele, mas devia estar tão doido, e estava sendo tão prestativo conosco, que não o deixaria na mão. O deixaria na minha mão. Sentada, peguei no pau dele e iniciei uma punheta gostosa. Com a mão que sobrou, ora tocava na minha buceta, ora massageava as suas bolas.
_ Tá gostando, tarado?
_ Nossa, assim eu vou gozar. Como tá bom!
_ Vai gozar nos meus peitos. Quero sua gala quente.
Por entre as pernas de Aílton, percebi que Denise parecia excitada com tudo aquilo. Ela olhava para nós e apertava os bicos dos seios com os dedos. Com a outra mão era certo que se masturbava. De vez em quando, olhava para os lados para ver se avistava algum bote com turistas vindo em nossa direção e então continuava.
Eu estava super excitada. Daria tudo pra ter a pica do meu noivinho dentro de mim naquele momento. Mas ver Denise daquele jeito dentro da água, fez brotar novamente aquele desejo que nos havia consumido, horas atrás, dentro do carro. Não era Aílton que eu queria. Era Denise.
Pedi para Ailton se ajoelhar por entre minhas pernas. Ele obedeceu. Eu estava sentada, inclinei o corpo um pouco para trás e apoiei uma das mãos na areia. Com a outra, continuei a punhetá-lo, mas desta vez muito mais rápido.
_ Vem gozar em mim, cavalão! Aqui na minha boca… foi a palavra mágica.
_ Nossa sinhora! Ah, ah, ah… aaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhh!
Antes que o primeiro jato pudesse atingir meu rosto, coloquei o pinto dele para baixo. Em direção aos meus seus seios. Inclinei o corpo para frente novamente e continuei a balançar aquele membro rijo e viril com as duas mãos, uma por cima da outra. Jatos fortes e numa quantidade que eu jamais havia visto. Como se ele estivesse à décadas sem gozar e tudo estava ali acumulado em suas bolas.
_ Que delícia. Nunca vi ninguém gozar assim!
_ Hummm, nossa dona Liz, que gostoso que foi.
Me ajoelhei em frente à ele e o abracei. Nossos peitos nus se encontraram e a porra que estava em cima de mim, agora também estava espalhada em seu torax magro.
_ Olha como você me deixou quente.
_ Você está queimando.
_ Estou. Não queria tocar na minha buceta? Porque não aproveita?
Ainda com o corpo trêmulo, ele olhou em meus olhos. Me segurou pela cintura com uma das mãos e levou a outra até meu clitóris. Mãos duras, calejadas. Mãos de trabalhador.
_ Devagarinho, tá?
_ Assim?
_ É. Ta vendo como ela está babada?
_ Tá.
Enquanto deixava Aílton brincar com meu corpo, olhava para Denise. Nos encarávamos, cheias de desejo.
_ Hummm Liz, sua buceta deve ser saborosa.
_ Ela é. E como você tem sido um bom menino, Vou deixar você sentir ela. Vem, deita aqui.
Aílton se acomodou em cima da toalha que eu usava. Me aproximei do seu rosto fiquei de joelhos bem em cima dele, de costas e virada pra Denise, de forma que pudesse me chupar. Então, lentamente, comecei a me esfregar na sua língua. Os quadris se movimentavam para frente e para trás. Minha bunda e meu cu eram a unica visão dele. Segurei novamente em seu pau, na intenção de deixa-lo duro mais uma vez, mas ele estava nocauteado. A gozada o levou à lona. Denise olhava tudo, paralisada.
_ Vai seu viado, chupa essa buceta!
Aílton não falava. Nem conseguia. Acho que se eu o asfixiasse com minha buceta, ele morreria feliz. Só segurava minha bunda e enfiava o dedo no meu buraquinho de traz. Apoiei os braços em suas coxas e acelerei. Sentia dentro de mim sua língua, seu nariz. Sua barba por fazer roçava minha virilha, por inteira.
_ Me faz gozar filho da puta! Vou melar sua cara! Vai, isso! Porraaaa! Ahhhhhhh, Ahhhhhh isso seu puto!!!! Ahhhhhh!!!
(Continua…)

Sugerimos que nossos fãs queridos, Carla e Edu contribuíssem com este capítulo. E não é que levaram bem à serio?
Muito obrigada, amigos deliciosos!

Sigam esse casal maravilhoso no Instagram: @carlaeeducasal e @carlaeeducasal3

No colinho do Papai

Uma de minhas maiores frustrações de infância é nunca ter tirado uma foto com Papai Noel. Minha mãe sempre dizia que, quando eu era pequena, tinha muito medo de chegar perto dele. Até tentou uma vez, mas eu chorei tanto, que acabou desistindo.
Pois é, o clima natalino está no ar e eles estão por toda parte. Nas festas, confraternizações, shopping centers. E são dos mais variados tipos. Altos, baixos, gordos, magros com barrigas postiças. E nunca se viu tantos Papais Noéis como antes. Em tempos de crise, fazer um bico como “bom velhinho” é necessidade e quase um privilégio para muitos.
O que acontece é que hoje, quando encontro um, vem uma vontade louca de desfazer todos os mau-entendidos de pequena. Eu amo Papai Noel!!! Queria muito poder agarrar na barba de um, tirar uma foto com ele. Mas junto também vem a vergonha. Já pensou eu no meio de um shopping, sentada no colo do Papai Noel? Que micooooo!
Mas tudo mudou numa tarde de sábado. Encontrei o Papai Noel que me fez perder todos os medos. E por uma ironia do destino, ele apareceu na confraternização de fim de ano da empresa onde eu trabalho. Uma grande festa para funcionários e seus familiares. Churrasco, bebidas de todos os tipos, boa música e muita alegria. Tivemos um ano de excelentes resultados, e nosso chefe não mediu forças para valorizar e reconhecer o trabalho de toda equipe. É claro que também, naquele dia, não faltou a tradicional troca de presentes, no amigo secreto.
Cheguei um pouco atrasada, pois havia deixado para a última hora o presente que entregaria à minha amiga secreta. Mas consegui um lugarzinho perto dos colegas mais chegados. E lá estava ele, quase que de frente para mim, em sua poltrona vermelha, com diversos presentes à sua volta, e sempre disponível para as fotos com as crianças e seus pais orgulhosos. Dava para notar que o homem por trás daquela fantasia não era gordo, muito menos barbudo. Era jovem e, aparentemente, parecia incomodado dentro de todas aquelas roupas. Mas não deixou de perceber minha movimentação na chegada. Cruzamos nossos olhos e o fiz perder a concentração por completo, diante dos convidados.
Fiquei sentada alguns minutos na mesa, comendo alguma coisa e batendo papo com as pessoas em volta. Os olhares do velhinho eram frequentes. E a cada investida, eu ficava mais curiosa pra saber como era aquele homem por trás das vestimentas vermelhas.
Minutos depois, decidi ir até o banheiro ajeitar a maquiagem e fazer aquele xixi. Passei em frente à ele, e mais uma vez, recebi um sorriso como presente. Antes de sair do banheiro, puxei um pedaço de papel e uma caneta da bolsa. Não daria tempo de fazer uma cartinha pra ele, mas certamente, realizaria o meu desejo de Natal.

“Querido Papai Noel. Meu desejo de Natal é sentar no seu colo gostoso e tirar uma foto com você. Mas tem que ser agora. Vou te esperar na sala do chefe, daqui meia hora.”

Ao voltar para mesa, fui até ele e estendi a mão, passando o bilhete. Cheguei pertinho do seu ouvido e provoquei:

_ O senhor é meu desejo de Natal. E tenho certeza, pelos olhares, que eu sou o seu!

E então sai.

Ele abriu o bilhete e me olhou com um sorriso maroto, voltando sua atenção à duas crianças, logo depois.

O tempo passava e meu tesão aumentava a cada encarada dele. Ele também demonstrava isso, passando a luva branca na testa suada o tempo inteiro. E, como prometido, meia hora depois, levantei-me e segui em direção ao corredor de acesso à casa. O chefe já havia bebido bastante e estava bem alterado. Rindo muito e passeando pelas mesas, dava toda a atenção aos convidados. Com certeza, ele não seria um problema.
Cheguei na sua do chefe, e para minha alegria, ela estava aberta, com as chaves na porta, para o lado de dentro. Em sua mesa, os seus pertences pessoais e as chaves do carro, sinal que em breve voltaria para pegá-los.
As persianas estavam fechadas, mas a claridade que vinha de fora e atravessava suas lâminas, era suficiente para o que eu e Papai Noel desejávamos naquele lugar.

Sentei na cadeira confortável e ouvi passos fortes e lentos vindo em minha direção.

_ Oi, demorei?
_ Nenhum pouco! Como fez para sair?
_ Disse que não estava me sentindo bem e que precisava descansar um pouco no banheiro.
_ Ótimo, não temos muito tempo. Tranque a porta. A chave está aí.
_ Você é louca. Fuder na sala do seu chefe…
_ Não vou fuder. Vou realizar um sonho de infância.

Ele se aproximou de mim…

_ Ah é? Você queria comer Papai Noel quando pequena?
_ Kkkkkk não! Queria sentar no seu colo. Mas sempre tive medo.
_ E quem garante que você não vai sentir medo do presente que que tenho pra te dar?
_ Tu é um Papai Noel muito do convencido, sabia? Então senta aqui e bota esse pinto para fora, que eu quero ver! Rápido, precisamos voltar pra festa!
_ Ok, vadiazinha, mas antes quero provar esse seu corpo todo!
_ É? O senhor é um Papai Noel bem tarado, né?
_ Sou, adoro fuder minhas ajudantes. Mas hoje vou abrir uma exceção e fuder você.
_ É, seu safado? Se não fizer direito falo pra todo mundo que você é um velho broxa.

Com um pouco de dificuldade, ele abriu a cinta enorme e brilhante e puxou a calça vermelha toda para baixo. Seu pau era enorme e gostoso, e já estava muito duro. Me ajoelhei em frente ao homem quase embaixo da mesa do chefe, e comecei a lamber e punhetar aquela vara toda, começando pelas bolas. Colocava elas toda na boca, uma de cada vez, e então subia e descia com a língua, deixando-a toda babada. Pra terminar, um mamada bem gostosa na cabeça, com direito a lambidas, mordidas e aquele vai e vem frenético entrando e saindo da boca, que deixa qualquer macho louco. Papai Noel gemia gostoso e se tremia todo na poltrona.

_ Puta que pariu, é a melhor chupada que já recebi. Como você é vadia!
_ Tá gostando Noel? Meu marido também fala a mesma coisa.
_ Maridinho? Você é casada? Nossa, então ele e um corninho bem sortudo.
_ É sim, sou a vagabunda dele, sempre serei.

Me levantei, virei de costas e comecei a tirar a roupa.
_ Isso, caralho como você é gostosa. Deve ser a putinha desse escritório!
_ Ainda não, mas tem um monte de caras aqui doidos pra me comer!
_ E você já deu pra algum deles?
_ Como você é curioso Papai Noel! Vai, deixa eu ver esse corpo gostoso também. Tira a fantasia, seu tarado!
_ Nos olhávamos fixamente enquanto sacávamos nossas roupas. Não havia muito tempo. Eu precisava gozar e papai Noel voltar para suas entregas de presentes. Estava ali na sala do meu chefe, semi nua, sedenta por uma boa foda, e na minha frente um papai Noel gostoso, só de botas, barba postiça, gorro e um pau grande que eu desejava dentro de mim. Pronto, eu enfim realizava o sonho de uma vida, sentar no colo do Papai Noel!
_ Vem vagabunda, senta aqui no meu pau.
_ Vou velho safado, como ele está duro!!
_ Está, desde a hora que te vi chegando!
Baixei a calcinha me inclinando toda para baixo, colocando meu rabo praticamente na cara do velhinho. Ele me segurou pela cintura forçando meu corpo para que minha buceta encontrasse sua vara.
_ Senta logo no colinho do Papai Noel, senão não vai ganhar presente!
De costas para o Noel, segurei no pau dele para que deslizasse gostoso dentro de mim. Mas antes, uma esfregadinha básica por toda minha vulva. Junto dela um gemido gostoso e forte:

_ Aaaaaahhhhh, filha da puta, enfia logo!
_ Calma Papai Noel tarado, sente como minha buceta está molhada. Esfrega seu pauzão nela.
_ Ahhhh, que deliciosa! Enfia, quero sentir seu buraquinho quente.

Os braços da cadeira favoreciam a posição. Com as duas mãos apoiadas neles, pude descer lentamente, preenchendo toda minha buceta com o pau do Noel. É uma delicia interromper o movimento com ele lá dentro. Sentir o macho te possuindo por completo. E assim fiz por uns instantes. Logo depois, comecei a subir e descer em movimentos suaves e constantes.

_ Isso, que delícia, você é uma gostosa da porra.
_ Tá gostando da visão, Noel?
_ Meu pau arrombando sua buceta é lindo de se ver, tesão do caralho!
_ Uhhhh, isso, que vadia! Vem cá!

Noel agarrou meu peitos e me puxou para seu encontro.

_ Coloca os pés aqui na poltrona.

Com as mãos, uma de cada vez, arrancou os meus saltos, me abraçou forte e começou a controlar os movimentos. Nos ajeitamos de modo a ficarmos confortáveis naquela posição. Agora era ele quem levantava e abaixava os quadris, comigo em seu colo. Meu rosto estava colado com o dele. Queria beijá-lo, mas a barba postiça atrapalhava. Ele já estava louco de tesão. Me segurava com uma das mãos e com a outra, começou a me tocar sem interromper as estocadas, cada vez mais frenéticas e intensas.

_ Assim é golpe baixo, vai me fazer gozar seu velho filho da puta!
_ Eu sei que vou! Goza com meu pau ai dentro, vai!
_ Então soca gostoso, vaaaaai, isso!

Quanta desenvoltura desse Papai Noel, puta que o pariu! Como fodia gostoso. E sabia muito como fazer uma mulher chegar ao orgasmo.
_ Aí, tá vindo, tá vindo, não pára, por favor!
_ Ahhh, ahhh, hummm, AAAAHHHHHHHH!

Gozei e melei o pau todo daquele homem gostoso, como à muito tempo não acontecia. E a adrenalina de trepar às escondidas, num lugar repleto de gente, na sala do seu chefe, tornava aquele momento ainda mais incrível e único.
As pernas já não respondiam direito, mas eu ainda queria receber toda a porra daquela vara gostosa. Saí de cima dele e sentei novamente, desta vez de frente. Com ambos os joelhos apoiados na cadeira. Assim o domínio é todo meu. Faço qualquer homem gozar, na hora que eu quiser.

_Pega na minha bunda Noel, seu presente vai chegar já!
_ Rebola esse rabo gostoso que eu quero te encher de porra!

Ele segurou firme e abochanhou meus peitos. A barba atrapalhava bastante mas sua língua os deixou eriçados rapidamente.

Movimentos intensos, alternando os quadris, de cima para baixo, para frente e para trás, sucessivamente. Era hora de Noel gozar.

_ Onde quer minha porra, não vou engravidar a mulher do corninho.
_ Vem, aqui na meu rostinho…

Me levantei rápido e fiquei de joelhos no chão, em frente à ele. Não deu tempo nem de uma última mamada. Os jatos vieram com força, melando toda minha face. Então ele se levantou e começou a passar a pica pelo meu rosto. Espalhando toda sua gala quente.

_ Ahhh, hummm, chupa piranha, suga tudo o que sobrou ai dentro! Ahhh, como é bom!

Deitamos abraçados no chão, pois precisávamos descansar uns instantes, quando então lembrei da festa que acontecia lá fora.

_ Pura que pariu amor, vista as roupas, precisamos voltar.
_ Já? Tá bem… Obrigado por me convidar para ser Papai Noel na sua empresa, Liz. Não vou esquecer jamais desta tarde.
_ Obrigada amor, pelo menos você tirou essa fantasia do armário mais uma vez! Ei… espera! Papai Noel, faltou a foto! Meu Deus!!!
_ Vai, pega o celular e senta aqui no meu colo.

Tirei o celular da bolsa, coloquei no modo “selfie” e então, finalmente, pude realizar meu sonho. Completamente, nua, com o rosto todo melado, abraçada com melhor Papai Noel do mundo, com o meu Papai Noel. Aquele que me ajuda a realizar todos os meus sonhos, todos os dias. Click! Uma foto pra guardar pra sempre! E a sete chaves!!!

O Natal já passou mas desejamos a todos nossos leitores, um 2018 repleto de saúde, tesão, felicidade, orgasmos, fantasias e muitos sonhos realizados!

@digoeliz

Jequiá – Capítulo 9

Destino revelado, seguimos em frente. Ainda podia sentir minha buceta quente e molhada, resultado do tesão incontrolável que nos consumiu, momentos atrás. Chegamos em Dunas de Marapé, ponto turístico de Jequiá da Praia, perto das nove horas. Denise encostou o carro num pequeno estacionamento. E pela primeira vez lembrei que Rodrigo poderia estar preocupado comigo. Peguei o celular, acreditando que haveriam várias mensagens dele. Mas para minha surpresa, apenas uma:

“Aproveite seu dia com toda a intensidade que ele merece. Estou com você. Ontem, hoje e sempre. Ansioso pelo resultado! Te amo, Digo.”

Feliz com a sensibilidade de sempre dele, respondi: “Estamos bem meu amor, tentarei fazer da melhor maneira. Estou fazendo por você, é tudo para você. Te amo”.

Saindo do estacionamento, chegamos à entrada da área que dá acesso ao rio. Um local muito bonito e tranquilo. Uma pequena estrutura, com bares e restaurantes, quase particular, com águas calmas e de temperatura sempre agradável. Marido, mulher, sogra, criança, cachorro. Algumas poucas famílias já começavam a se organizar para passar o dia por ali.
Logo, fomos abordadas por um homem baixo, corpo magro de aparentemente uns 45 anos. Depois fui descobrir que tinha 34. O constante contato com o sol, judia a pele das pessoas e as faz parecerem mais velhas aqui no Nordeste.
_ Bom dia senhoritas. Gostariam de fazer um passeio?
_ Claro que sim, mas nosso passeio é profissional. Como é seu nome?
_ Ailton, ao seu dispor.
_ Prazer Ailton, somos Denise e Liz. Estamos à trabalho. Se eu lhe der um extra, pode nos acompanhar até o final do job?
_ Eh… job?
_ Sim, job. Trabalho.
_ Ah, ajudo sim.
_ Pode iniciar buscando umas coisas que estão lá no nosso carro. Aqui está a chave.
_ Claro, claro!
_ Aquele é meu bote. Se quiserem, podem aguardar lá.

Aílton calçou os chinelos que segurava na mão e saiu a passos largos.

_ Lembra quando eu disse que tinha vários ajudantes? Aílton é um deles.
_ Mas você nem o conhece!
_ E precisa? (risos)
_ Agora me conta, quando foi a última vez que ficou nua na frente de outro homem que não Rodrigo?
_ Hum não faz muito tempo. Mas ao livre o Aírton…
_ Aílton, com L.
_ Aílton, sim, será o primeiro.
_ E qual a diferença de ficar pelada pra Rodrigo, Aílton, João, Pedro? Homem é tudo igual!
_ Tooooooda! Quer saber Denise, você é doida, literalmente! Quando topei isso, achei que íamos ficar dentro de um estúdio!
_ Quer mais estúdio mais incrível que este? Cores, iluminação natural… E olhe só, seu noivinho tarado quer o melhor trabalho, e é isso que estou tentando fazer.
_ Tá bem, tá bem, você está certa!

Já sabia que Denise era esperta, mas ali começava a perceber que era também muito “desenrolada”. Comecei então a ficar preocupada com quem seriam os outros “ajudantes” dela.

_ Senhoritas? Acho que já está tudo aqui. Podemos ir.
_ Obrigada Ailton, muito prestativo.

Há embarcações que diversos tamanhos que levam os turistas para o passeio em Dunas de Marapé. Para duas ou três pessoas são utilizados aqueles feitos em fibra de carbono, com os lugares já construídos no molde de fábrica dele. Um motor de popa os leva para cima e para baixo, pelo rio. Só não é possível, com ele, atravessar para a praia, ao final do percurso. Esta parte do passeio deve ser feita a pé.
Aílton, cheio de curiosidade, perguntou:

_ Vocês são fotógrafas de quê? Natureza? Aqui é um lugar lindo. Posso mostrar os pequenos animais, as plantas, o manguezal…
_ Eu sou a fotógrafa. Liz é minha modelo. Pretendemos fazer um ensaio aqui. Pode nos levar a pontos bonitos e calmos?
_ Ah, é tipo aquelas meninas que fazem fotos e colocam no Face? Legal!
_ Hahaha, ri alto. É, mais ou menos, Ailton. Você tem Facebook?
_ Tenho sim moça, minha filha fez um pra eu arranjar namorada.
_ Que Legal! Espero que encontre logo, respondi.
_ Ah senhorita é muito bonita, Liz. Tem namorado? Perguntou ele, meio envergonhado, cabeça baixa, como se estivesse tentando engatar uma cantada.
_ Sim, tenho um noivo. Queremos casar em breve… Ai meu Deus! Ele gostou de mim. E vou ter que ficar nua na frente dele. Esse homem vai ficar doido, pensei.

Bote na água, sol quente, dia lindo. As fotos tinham tudo à seu favor para ficarem encantadoras. Denise estava à vontade, só de biquíni, bem mais comportado que o meu, mas que revelava todas as suas gordurinhas. Dobras firmes e muito sensuais. Eu prestava atenção nela, e ela ao redor, talvez em busca de um local interessante para a fotos. Enquanto observava, aproveitava para passar protetor solar no corpo.

_ Tome Liz, passe este protetor, não vai lhe deixar “melada” nas fotos. Aílton, a essa hora não vem muitos barcos por aqui né?
_ Ainda é cedo moça, vem um ou outro de vez em quando. Dona Liz, não precisa ficar envergonhada.Todo mundo faz foto pra mandar pros outros hoje.
_ Hahaha! Você é engraçado, Aílton, gostei de você. Sua próxima namorada vai ser uma mulher de sorte, respondi.
_ Obrigado dona Liz, completou nosso ajudante, com um leve sorriso no rosto.

Aílton parecia realmente divertido. Mas eu precisava “quebrar o gelo”. Afinal ia ter que ficar nua na frente dele. Então olhei para os lados pra me certificar que não havia ninguém por perto, e levantei a parte de baixo da camiseta branca, a única vestimenta que protegia meus seios, passando-a por trás do pescoço.
Ele estava distraído, ajustando alguma coisa no motor do pequeno barco.

_ Aílton, não queria sujar as mãos, você pode me ajudar aqui?

Numa reação engraçadíssima, ele deu um pulo pra trás e colocou a mãos em frente aos olhos, tentando não ver meus seios desnudos.
_ Dona Liz, o que é isso meu Deus! Não precisa passar protetor aí não. O biquíni protege!
_ (Risos) E quem disse que eu vou fazer foto de biquíni, homi?
_ Ddddddna Liz! Não? Como vai ser?
_ Peladinha, Aílton.
Denise gargalhava sem parar.
_ Algum problema, Aílton? Hoje é seu dia de sorte.
_ Mas isso é ganhar na loteria acumulada, dona!
_ Deixa de timidez homem, oxe! Toma, passa aqui em mim.
_ Tá.

Eu já havia passado protetor pelo corpo todo dentro do carro, momentos antes de chegarmos, mas precisava de um pretexto para deixar Aílton mais relaxado e preparado para o que ia presenciar. Suas mãos trêmulas quase não conseguiam executar a tarefa simples que eu havia dado a ele. Seus olhos estavam fixos nos meus peitos. Em segundos, transformei ele em uma criança que a acabara de ganhar o melhor dos presentes de Natal.
Ele passava com cuidado, devagar, de um lado para o outro, mas evitava tocar a as auréolas. Denise, a essa hora já fazia algumas fotos e cuidava dos preparativos para o ensaio.

_ Aílton, se não passar nos bicos eles podem queimar, não acha?
_ Eh… Sim, dna. Liz, vão.

Ao primeiro toque tímido nos meus bicos, os senti arrepiarem e endurecerem. Aquilo excitou de vez nosso “comandante”. E seu pau mostrou-se rijo por baixo da bermuda. E parecia grande para o pequeno homem que nos acompanhava.

_ Aílton, porque chama Denise de moça e eu de dona?
_ Sei não, dona Liz.
_ Liz, Aílton…
_ Tá bem. Liz..
_ Pronto, assim está melhor. Gosta dos meus seios, Aílton?
_ Muito, são bonitos e suaves… Pronto acho que já está bom.
_ Sim, obrigada, muito gentil, respondi cobrindo novamente os seios com a camiseta.
_ Denise nos olhou e com um ar de pouco caso, disse:
_ Depois eu é que sou a doida (tsc, tsc)…

Percorremos mais alguns metros pelas águas calmas do rio. A maré estava baixa, revelando alguns pontos de areia.
_ Aílton, aqui esta bacana. Podemos parar?
_ Sim. Quer que eu vá até a margem?
_ Não, aqui está ótimo. Mas se importa de descer do bote e nos controlar até chegarmos lá?

_ Sim, sem problema.
_ A maré vai te ajudar, não? Disse Denise, com câmera em punho.
_ Vai, está nos puxando para o raso.
_ Então tá. Quero fazer umas fotos de Liz aqui em cima, mas o bote é pequeno para nós quatro…
_ Sim, nós três e a câmera fotográfica.
_ Ok, fiquem tranquilas, vou levando a gente pra lá, bem devagar.
_ Obrigada, depois faremos umas fotos na areia.

(continua…)

Na estrada – capítulo 8

Não fazia ideia de nosso destino. Mas Denise tomou o caminho do litoral sul do estado. Pelo caminho, íamos falando besteiras e ríamos muito sobre nossos relacionamentos anteriores frustrados. Ah, também cantarolávamos as músicas que tocavam no rádio do carro. O sol já estava forte mas ainda haviam poucos carros na estrada. Passamos pela região do Pontal, atravessamos o viaduto e seguimos adiante.
Pensei: ela vai parar na praia do Francês ou na Barra de São Miguel. Errado. Vi os acessos às duas praias cruzarem meus olhos, sem sinal de parada. Seguimos em frente. A cada troca de biquíni, um olhar safado de Denise e comentários do tipo
:
_ É, esse está bacana, separa…
_ Nãooo, muito grande, tira.
Num dos momentos em que fiquei sem a parte de baixo do biquíni. ela perguntou:
_ Lembra daquela foto da Galisteu na Playboy, dela se depilando?
_ Quem não lembra? Foi polêmica, respondi.
_ Faz uma coisa: encosta na porta, de frente pra mim. Abre um pouco as pernas. E olha pra sua vagina. Não tira os olhos dela.
Com uma mão no volante, Denise, com a outra, puxou a câmera do assoalho do carro. E tirou duas ou três fotos.
_ Legal! Toma, segura.
_ Câmera pesada! Onde eu bato?
_ Aí em cima, no botão vermelho.

Então virei a câmera em nossa direção, segurando-a com as duas mãos, como se fosse fazer uma “selfie”.

_ Vem vamos registrar esse dia. Cola aqui no meu rosto. Só cuidado com a estrada, alertei.

Denise largou o pé do acelerador e veio até mim para a foto. (click)
_ A um dia inesquecível e a nossa nova amizade, disse ela, olhando profundamente em uma olhos.

Dirigimos mais uns instantes e tomamos o acesso à praia do Gunga. Ali a paisagem muda bastante. Plantações imensas e intermináveis de cana de açúcar nos dois lados da pista.
Paramos no meio da estrada, numa área linda quase chegando no mirante do Gunga.

_ Por que paramos?
_ Quero ver o quanto você está afim de fazer essas fotos. Preparada? Disse ela, pegando a câmera em punho.
_ Ai ai, Denise. Diga logo o que pretende!
_ Vou ali fora. Tire toda a roupa. Quando eu disser, você sai do carro e vai até o meio da pista. Quero uma foto de frente e uma de costas.
_ Você está louca? E os carros?
_ Fique tranquila. So nós estaremos aqui.

Que maluquice eu estava prestes a fazer. Não vou conseguir, pensei. Espera, não tenho obrigação de fazer nada do que essa louca disser…

Denise saiu do carro. Olhei por uns instantes para a pista. O fluxo de carros era quase zero. Me imaginei ali, nua, como se estivesse viajado no tempo, apenas um minuto à frente. Respirei fundo tentando encontrar uma coragem que não tinha. Pensei em Rodrigo e como eu queria que ele estivesse aqui acompanhando tudo isso. E então comecei a tirar a camiseta e a calcinha do biquíni.

_ Venha de chinelos, o asfalto já esta quente, gritou Denise, la de fora. Quando eu disser agora, você vem para o meio da pista.
_ Ok!!!

Meu corpo tremia dos pés a cabeça, tensa. E junto veio aquele desconforto na barriga. Meu Deus, é loucura demais!

_ Agora!!!! Vem!
_ Respirei fundo mais uma vez. Então abri a porta do carro e na confiança de Denise, nem me preocupei se haviam outros carros passando ou não. E fui. Com o braço tentando esconder os seios e uma das mãos na virilha.

_ Tá escondendo o que gata, ja vi tudo isso ai!
_ Não é de você que estou escondendo.
_ É de quem? Tem mais alguém aqui?

Então olhei para os lados e só avistava a bela natureza local. O barulho era apenas dos pássaros e, ao fundo, da música que vinha do rádio. O céu estava incrivelmente limpo. E os raios de sol já penetravam em minha pele com força. Estava nervosa, como se estivesse infringindo alguma lei – e acho que estava mesmo. Uma sensação de liberdade e felicidade extrema surgiu. Então ergui os dois braços ao alto, deixando meu corpo nu exposto a quem quisesse apreciá-lo. Olhei para o céu e agradeci a Deus por aquilo. (Click, Click!)

_ De costas agora, precisamos ser rápidas. Tem um carro vindo lá longe.

Me virei, como Denise pediu. E coloquei as duas mãos na cintura. (Click, click, click)

_ Isso delícia, já é uma modelo profissional, gritou Denise. Agora vem pro carro, pois é um ônibus que está vindo.

Olhei para trás e pasmem, o ônibus estava chegando. Então acelerei o passo. E quando fui entrar no carro, ouço Denise:
_ Espera, não pensa em nada, só mais uma foto! De quatro, apoie os ombros no capô do carro, rápido!

Surtei, não pensei e obedeci. E apoiada no meu carro que estava no acostamento, só pude ver o ônibus, com alguns poucos passageiros, que provavelmente estavam indo passar o domingo na capital, cruzar, muito devagar ao meu lado. Vi olhares estáticos nas janelas. Só pude ouvir o buzinaço e o grito, provavelmente do motorista:

_ Eeeeeeeeeeeeeeee, delícia!

Abri a porta do carro e entrei como um foguete. E lá veio Denise, com sorriso estampado no rosto.

_ Você está louca é? Ficar pelada no meio da estrada?

Nos olhamos e caímos na gargalhada.

_ Meu Deus, o que eu fiz!
_ Arte. Olhe isso, respondeu Denise.

Era a foto que ela acabara de tirar. Eu, inclinada com os ombros no capô e olhando para o ônibus ao fundo, com seus passageiros e seus olhares incrédulos.

_ Que imagem linda, puta que pariu!
_ É isso que vamos fazer hoje, gata, arte!

Nos olhamos, satisfeitas com o resultado. É nos abraçamos, felizes. Eu ainda nua. Um abraço quente. Pude ouvir a respiração de Denise nos meus ouvidos. E senti uma das mãos dela tocar minhas coxas. Me arrepiei por inteira, inevitavelmente, os bicos dos meus seios ficaram duros. Seus lábios e sua língua começaram a percorrer meu pescoço suado e nossas bocas se encontraram num beijo ainda melhor do que aquele no estúdio. Meus mamilos tocavam suavemente os dela, que também enrijeceram, tocavam por cima do tecido da camiseta que vestia.
Sua mão direita segurava minha nuca para não deixar que eu saísse dali. A esquerda, que antes tocava minha coxa, já desvendava minha virilha. Minhas pernas foram se abrindo devagar, o sinal verde para que Denise me tocasse. Sua boca deixou meus lábios e começou a percorrer meu pescoço, e desceu até meus seios. Meu Deus, que gostoso! Pela primeira vez uma mulher me tocava daquele jeito, e ela sabia bem como fazer. Não demorou muito para minha buceta umedecer por completo. Como aquilo estava bom! Esqueci completamente do mundo em minha volta. Mas uma pena que Denise não esqueceu. Como se estivesse cometendo o crime mais hediondo, me largou e segurou ao volante.

_ Vamos gata, temos um dia inteiro pela frente ainda. É não podemos virar estrelas pornôs de expectadores no meio de uma estrada. E respirou fundo, soltando o ar com força, pela boca.

_ Tá certo! Vamos nessa.

Coloquei novamente minhas roupas, mas à contra gosto. Estava “possuída” por uma sensação da qual nunca havia passado antes. Denise segurava o volante com uma mão e com a outra já fazia carinhos em minha coxa, cheia de intimidade.

Passamos, sem parar, pelo mirante da Praia do Gunga, um dos principais pontos turísticos aqui de Alagoas.

_ Lá de cima dariam fotos ótimas, comentei com Denise.
_ Verdade, mas a essa hora já devem ter alguns turistas por lá.
_ E você pretende parar aonde?
_ Em Dunas de Marapé.
_ Lá é lindo, já estive algumas vezes. Mas fotos nuas? Tem muito turista lá.
_ Ainda e cedo, diferente do mirante, o pessoal começa a chegar por lá depois das nove.

(continua…)

Luxúria – capítulo 7

Estávamos excitadíssimos com a nova sessão de fotos. Denise cheia de segredos e, pra piorar, a viagem de Rodrigo. Por um lado, ela veio em boa hora, pois pude passar mais tempo com meus pais durante aqueles dias. Mas estava muito difícil pensar naquilo tudo que estávamos realizando e não querer estar com Digo, trepar gostoso com Digo. Sem ele, só me restava brincar sozinha com meus dedos e brinquedinhos. Falávamos sacanagens o dia todo pelo Whatsapp e, na sexta-feira,cheguei a me tocar e gozar no banheiro do trabalho.
No sábado, resolvi dormir cedo para acordar bem disposta no dia seguinte. Mas a ansiedade não permitia que o sono chegasse. Passei o final da noite toda no quarto, com a TV e notebook ligados, sem conseguir me concentrar direito em nada. Eram quase 10 horas quando Rodrigo liga do hotel, em Recife:

_ Oi meu tesão. Está fazendo o quê? Pronta para amanhã?
_ Aí amor, estou um pouco tensa, apreensiva. Queria que estivesse aqui.
_ Eu estou aí, não está sentindo?
_ Eu sei amor, mas é diferente. Seu carinho me protege, me acalma. Eu estou quente…
_ O dia de amanhã é uma incógnita e isso está te deixando nervosa, não é? (Risos)
_ Pára Digo, é sério.
_ Faz o seguinte: onde está Agora?
_ Na nossa cama, vendo uns e-mails de trabalho no notebook.
_ Está nua?
_ Não totalmente, só de calcinha. Estava me tocando agora pouco e pensando em nós. Mas perdi a vontade. Não é a mesma coisa sem você aqui.
_ Então entra no Lust Cinema e escolhe um daqueles filmes.
_ Mas amor, prometemos que só íamos assistir os vídeos desse site juntos.
_ Tudo bem, depois assistimos novamente aquele que você assistir agora. Mas assista.

_ Pera… Pronto, entrei. Escolhi um chamado “We know you are whatching”.
_ O que significa Liz, sabe que sou péssimo em Inglês…
_ Significa: Nós sabemos que você está olhando.
_ Hum… olhar adoro. Clica ai e vai me contando.

_ É uma jovem, ela é linda. Está tomando café e olhando pela janela. Ela tem vizinhos no prédio em frente. Um casal. Nooossa… Hum… eles estão se pegando com a janela aberta. E ela observado…
_ Ela é tipo Rob e Mile? Safadinhos?
_ Tipo você também.
_ É, eu gosto… E o que mais?
_ Hummm eles perceberam que ela os olhava. Deixaram-na toda sem graça. Estão trocando mensagens escritas em papel pela janela. Ai que delícia, convidaram ela pra visitá-los!
_ Hummmm, o bicho vai pegar!
_ O marido abriu a porta e ela está entrando… Caraca amor que casal gostoso. Eu quero fuder com um assim!
_ Vou te dar essa fantasia, amor. O que você está fazendo agora? Já estou me masturbando aqui, imaginando você ai. Imagine que você é a vizinha.
_ Amor, vou colocar no viva voz.
_ Porque?
_ Não consigo me tocar e segurar o telefone… Caralho amor, eles são muito gostosos, puta que pariu. Tô molhada aqui. O pau dele parece com o seu! Aff… hummm!
_ Me conta, o que estão fazendo?
_ Estão na cama tirando a roupa dela.
_ Elas estão se pegando gostoso. E ele acariciando a esposa. Ai, que delícia, tesão da porra. Eu quero, quero ser ela.
_ Isso, amor, que tesão. Seja ela, imagine-se ali. Pega ela gostoso…
_ Beijo gostoso que ela tem, amor. Nossa. Estou sentindo as mãos dele em mim… macho gostoso!

Nessa hora, eu já estava sem a calcinha, deitada na cama e encostada nos travesseiros, com as pernas bem abertas e o notebook no meio delas.

_ Ele quer te foder, amor?
_ Quer Digo, você deixa?
_ Claro que eu deixo.
_ Estamos mamando as duas no pau dele. Que tesão! Pau grande, cheiroso…
_ Isso cadela, chupa e imagina que eu estou observando vocês.
_ Hummm, agora ele veio me chupar amor.
_ Ai, boca gostosa… Ela esta na cama de quatro me beijando, enquanto ele me chupa. Minha buceta está toda babada amor, quer gozar!

_ Goza gostosa! Meu pau está duro aqui. Vou gozar gostoso pensando nessa safadeza!

_ Agora ele está comendo ela de quatro. Que delicia de casal….Vem, me come vizinho tesudo… cavalo gostoso! Ele vai me comer amor. Estou com as pernas arreganhadas na frente dele. Hummm…
_ Amor que pau gostoso ele tem puta que o pariu! Macho! Vem me fode gostoso!!!

_ Hummmmmmm Aiii, assim!
_ Amor, me fala… Amor?
_ Veeeem, vemmm, me faz gozar! Ahhhhhhh! Sim!!! Caralho que delícia! Huuuuummmm!
(Silêncio)…
_ Amor, amorzinho?

Acordei com o despertador sem saber o que havia acontecido direito. Estava nua. O notebook desligado, provavelmente por falta de bateria. E o celular ao meu lado. Meu Deus, apaguei e deixei Rodrigo no telefone sozinho. Mas não tinha tempo pra nada. Precisava me preparar para as fotos.

Olhei para fora e o céu estava limpo. Sinal de um dia de muito calor. Comi rápido. E tomei uma ducha gelada para refrescar. Coloquei apenas um short jeans, uma camiseta branca e chinelos. Uma maquiagem leve e pronto. Rua.
Cheguei ao prédio de Denise com uns 15 minutos de atraso. Ela já me esperava la embaixo. Junto dela, seus apetrechos.

_ Bom dia, Denise!
_ Vem aqui atrasadinha, vamos levar isso para o porta malas. Cadê Rodrigo?

Pude perceber que além da câmera, Denise carregava uma iluminação pequena e uma espécie de pano dourado em formato oval
.
_ Um “bom dia” também é bacana né? Só por isso nao vai ganhar selinho, provoquei.

Ela me olhou contrariada.

_ Rodrigo não vem. Teve que viajar.
_ Sério? Ele te liberou?
_ Claro… como vai manusear todos estes equipamentos e ainda fotografar?
_ Tenho vários ajudantes espalhados por ai. Você vai conhecê-los.

_ Como?

Denise apenas sorriu, ironicamente.
_ E esse pano dourado pra que serve?
_ É um rebatedor de luz. Quando usarmos eu te explico melhor como ele funciona. Agora vai, pula para o carona. Eu que vou dirigir. Já sei onde serão nossas locações. E pegue esta sacola. Tem biquínis e cangas ai dentro. Vai provando eles no caminho.

(continua…)


Assista na íntegra

Capítulo 6 – Sozinha

Colocamos nossas roupas e antes de nos despedirmos de Denise, ela nos ofereceu água e o café coado antes da sessão. Depois, pulou para frente do computador, para descarregar as imagens que acabara de registrar.

_ E ai? Curtiram a noite?
_ Estamos acabados, Digo respondeu. Mas quem tem que dizer se curtiu é você. Você é a fotógrafa.
_ Vocês foram ótimos. Mas nem começamos. Hoje foi só um aperitivo.
_ Proteja bem essas fotos hein, garota? Não queremos recebê-las em algum grupo de Whastapp, ironizou Digo.
_ Eu tenho cara de amadora, garoto? Hum… se bem que esse dedinho da Liz ia fazer sucesso na rede.
_ Hahaha, gargalhamos alto.
_ Nem brinque com isso, respondi.

Nos despedimos com beijos. E Denise não perdeu a oportunidade de me dar um selinho e um abraço apertado. Fiquei toda sem graça com a atitude dela, diante da presença do meu noivo.

_ E quando iniciamos pra valer?
_ Aguarde meu contato, esteja pronta.

Dentro carro, fizemos todo o trajeto, até em casa, de mãos dadas. A cada sinal fechado, beijos ardentes, como se fossemos namoradinhos recentes. Estávamos concluindo que a cada nova aventura, nosso relacionamento só melhorava. Passamos, mais uma vez, a cuidar mais um do outro, dentro e fora de casa. As mensagens amorosas pelo Whatsapp e os mimos tornaram-se mais frequentes. Mas eu estava um pouco incomodada com a situação do beijo em Denise durante as fotos. Então resolvi conversar, pois sabia que teria o conforto que eu precisava na palavra de Rodrigo.

_ Amor, hoje aconteceu uma coisa que eu precisava te contar.
_ O que, Liz?
_ Enquanto você estava fora do quarto, naquele momento em que eu fiquei tensa, eu e Denise… nos beijamos.
_ Hum, mas como foi?
_ Foi quente, intenso. Ela estava tentando me acalmar e se aproximou. Acho que perdemos o controle da situação.

Ele ficou em silencio por alguns instantes e perguntou:

_ Acha que isso pode gerar algum tipo de sentimento, sei lá?
_ Não amor, claro que não. Ela me acalmou. E todo aquele clima, sei lá. Eu estava super excitada. E o beijo me fez bem, me tranquilizou.
_ Tudo bem amor, eu entendo. Fique calma. Fico feliz que tenha me contado.

Era tudo que eu queria ouvir. Ter beijado Denise longe de Rodrigo me incomodava, mas estava absolutamente tranquila quanto aos sentimentos que aquele momento me proporcionaram.

_ Apertei a mão de Rodrigo e nos olhamos. Afinal foi ele quem me colocou naquela loucura. Entramos juntos nela. E sabia que sairíamos juntos. Daquela e de todas as outras.

Chegamos em casa, largamos as roupas na sala e fomos direto para o banho. Estávamos suados, quentes ainda, cheirando a sexo. Nos pegamos muito embaixo do chuveiro. Rodrigo, mesmo cansado, ainda conseguiu se excitar. Não perdi a oportunidade de mamar naquele pau gostoso novamente, antes de me penetrar em pé, eu de costas para ele. E gozou rápido. Dentro de mim. Amo quando ele faz isso. Na minha opinião, gozar dentro é o ápice da intimidade entre duas pessoas. A entrega total um ao outro. Dois corpos se transformando em um só.

Já na cama, nos abraçamos e ele me perguntou:

_ Aquilo que fez comigo foi… foi… interessante.
_ Você gostou, amor?
_ Sensação diferente. Seu boquete ficou muito melhor.
_ Está se sentindo bem? Esta com medo de gostar e querer experimentar sensações… maiores? (Risos)

_ NUNCA! Gosto de buceta, entendeu? B U C E T A! Nada contra quem gosta, mas o que me da tesão é o que você tem entre as pernas!
_ Tá, amor, entendi! Mas hoje você descobriu que gosta também de dedinho, D E D I N H O!!!
_ Erh… o seu Liz, e só o seu! Tá me ouvindo?
_ Claro amor, como quiser! (Risos)
_ Agora vamos dormir, temos que acordar cedo amanhã.

Como foi difícil obedecer o despertador na manhã seguinte. Estávamos exaustos da noite anterior. Durante o café, prontos para sair, recebemos uma mensagem de Denise:

Bom dia. Dormiram bem, amores? Podemos continuar no domingo pela manhã?

_ Olha a mensagem de Denise, amor. Disse Rodrigo, me passando o celular.
_ Hum, por mim tudo bem. Fazemos as fotos e depois vamos direto pra casa da minha mãe almoçar.
_ Certo, deixa eu respondê-la.

Tudo certo, Denise, estaremos aí. Que horas quer começar?

Estejam aqui as seis em ponto.

Pqp, pq tão cedo?

Vamos passear, queridos!

Passear? Não vamos tirar as fotos no seu estúdio?

No meu estúdio? Estamos em Alagoas, você quer um
trabalho excelente, não quer?

É Claro.

Então deixe eu usar as minhas armas. Sol, calor e o mar.
E sem mais perguntas!

Ok, fotógrafa até domingo.

Tudo combinado para domingo. Estava tensa e ansiosa para saber o que Denise ia aprontar comigo. Ela deixou no ar que faríamos fotos ao ar livre. Mas onde? Em público?

Na quarta a tarde, no meio do expediente, Rodrigo manda uma mensagem frustrante:

_ Amor. Tô puto aqui. Ari programou uma viajem para mim
amanhã até Recife. Para aquela reunião que lhe falei.
Volto apenas no domingo, à noite.

_ Mas amor, e o ensaio?

_ Pois é, eu tentei resolver de outra maneira, disse que
tínhamos um compromisso, mas ele justificou ser
essencial minha presença lá. Estamos fechando
um grande negócio, você sabe.

_ Poxa, Digo…

_ Mas não desmarque. Vá sozinha. Acredito que vai ficar
mais tranquila. E eu, mais ansioso pelo resultado do ensaio.

_ Tem certeza?

_ Sim.

_ Amor, estou com medo que Denise tente
alguma coisa.

_ Amor, vocês vão passear, lembra? Ela não vai ser louca
de te atacar em público. E nós estaremos conversando
o tempo todo por aqui.

_ Tá certo. Até mais tarde então.

_ Até, amo você!

_ Tbem!

(continua…)

Fotos deste post de propriedade e enviadas por um casal leitor de nosso blog.

Macho dominado – capítulo 5

É incrível o poder que Rodrigo tem de me transformar numa vagabunda. Ele sabe colocar as palavras, os gestos e as atitudes na hora certa, e aflorar o tesão que existe dentro de mim. Antes eu era só uma jovem presa em meus valores, nas crenças religiosas impostas pela minha família e cheia de desejos presos na garganta. Agora eu sou uma puta, a puta do meu noivo. Estou livre e sou muito mais feliz.

Digo parou em minha frente e começou a massagear sua pica deliciosa, delicadamente, bem perto ao meu rosto. Eu ainda sentia, percorrendo meu corpo, os efeitos do orgasmo que acabava de ter. E percebi os cliques da câmera de Denise por trás de mim. 

A vara do meu noivo já estava duríssima. Ali, tão pertinho, era impossível não querer ela dentro da minha boca. Então comecei lambendo ela devagar, pela glande. E fiz ele gemer baixinho.

Isso, que tesão, Liz. Chupa e olha pra mim! Continua passando a língua nele devagarinho, disse Denise. (click, click!)

Afastei a mão de Digo e eu mesma passei a massagear seu cacete duro. Percebia que ele me olhava sempre, acompanhando cada movimento meu, cheio de orgulho, pela noivinha pervertida que ele tinha.

_ Caralho, boca gostosa amor.

_ Não vai haver no mundo pica mais gostosa que a sua, Digo.

_ É? Então chupa, ela é toda sua!

Toda mulher tem a obrigação de saber deixar seu companheiro louco durante o sexo oral. Tem que executar os movimentos em cada região do pênis e acompanhar a reação dele. Assim ela vai descobrindo onde é que seu homem sente mais prazer, para levá-lo ao êxtase, sempre. Rodrigo, por exemplo, vai ao “paraíso” quando lambo e beijo suas bolas. Antes, é claro, percorro com a língua a extensão toda do pau e, depois dou dedicação especial lá embaixo. Mas desta vez fiz um pouquinho diferente…

Denise circulava por nós o tempo todo. Sorria de satisfação. Talvez por também ser A primeira experiência dela fotografando algo tão erótico. Minha dedicação era total nos testículos de Digo. A mão direita segurava seu pau para cima. Ele tremia e pressionava, com as mãos, minha cabeça ao seu encontro. Foi então que passei a mão oesquerda por baixo de suas pernas, e sem deixar que ele interrompesse, coloquei a ponta do dedo médio no seu ânus. Como uma menina arteira, parei de chupa-lo só para observar sua reação. Senti suas nádegas travarem seguido de um gemido alto.

_ Aaaaahhhhh!

Confesso que fiquei com um pouco de medo de como ele iria reagir. De, talvez, quebrar o clima gostoso que havíamos criado e prejudicar as fotos. Mas não tirei o dedo. Pelo contrário, pressionei um pouco mais. Ele me olhou, agarrou meus cabelos e relaxou.

_ Quer que eu tire?

_ Não. Mas pare por ai.

Denise estava ao nosso lado, mas, por um momento, não ouvi mais os cliques da câmera. Acho que ela ficou tão interessada na reação de Rodrigo quanto eu. Então voltei a mamar suas bolas, mas agora massageando cuidadosamente seu esfincter. O dedo ia entrando sempre um pouquinho mais. Então tirava e colocava novamente, sempre com a língua e a outra mão completando o serviço. 

_ Caralho, que sensação deliciosa Liz, ah, ah! Mama gostoso, vadia! Eu quero gozar!

Naquela noite, aprendi a deixar um macho totalmente entregue a mim. Ali, com a boca no seu pau e o dedo no seu cu, poderia fazer Rodrigo gozar na hora que eu quisesse. Mas Denise queria mais. E minha buceta também.

_ Troca de lugar com ela, Rodrigo.

Não parei de chupar. Apenas tirei o dedo que o preenchia e voltei a me dedicar à cabeça do pau dele. Sai da cadeira, me ajoelhei e continuei. Aos poucos, Rodrigo foi tomando o meu lugar, se controlando ao máximo, para não me lambuzar com sua porra quente.

_ Faz um rabo de cavalo nela e puxa para cima. Mostra pra câmera a boca dela no seu pau. (Click, click!). Pronto, eu já estava transformada em uma atriz pornô e meu parceiro de cena recebia ordem da diretora para valorizar meu melhor perfil para as lentes.

_ Levanta, Liz  e fica de costas pra ele. Mexe esses quadris gata! (click, click!)

Me entreguei à música novamente. Meu corpo voltou a balançar para um lado e para o outro. Rodrigo a se masturbar.

_ Senta no meu pau, gata, ele disse.

_ Faz o que ele tá mandando, completou Denise.

Fui me abaixando devagarinho e ao ritmo da música, apoiei as duas mãos nos braços da cadeira. Senti a pica de Digo roçando minha vagina. Eu estava no controle e fui descendo devagar, até ela me preencher toda. Continuei rebolando por um instante, subindo e descendo. Mas Rodrigo não aguentava mais. Me agarrou pela cintura e me puxou para junto do seu corpo. Então abri as pernas e apoiei os pés sobre suas coxas, próximo ao joelho. Naquela posição não conseguia fazer muito. Mas ele sim. Começou a socar a pica na minha buceta como um animal feroz.

_ Vagabunda, toma minha vara! Ah, Ah, Ah!

Os dedos de Denise pareciam ter perdido o controle no botão da câmera. Os cliques tornaram-se ininterruptos. 

_ Isso, porra, soca nessa vadia, dizia ela.

_ Vem amor, goza entro de mim! Pau gostoso do caralho!

Era tudo que ele queria ouvir. 

_ Ahhhhhhhh, ahhhhhhhhh, ahhhhhhhh! 

Ele explodiu como eu nunca havia visto antes. Senti seu esperma quente invadir meu corpo. Se contorcia como se estivesse levando um choque de 220 volts. Gemia alto a cada jato de porra que deixava dentro de mim. 

_ Isso, isso, maravilha, ouvi Denise dizer.

Apoiei a nuca no peito de Rodrigo, ergui a cabeça e nossa bocas se encontraram num beijo delicioso, enquanto ele me penetrava, agora em movimentos mais lentos. 

_ Clap, clap, clap! Não vejo a hora de revelar essas fotos meus queridos, disse Denise, batendo palmas e sorrrindo.

Retribuimos as palmas com uma gargalhada gostosa. Nos olhamos novamente, e nos beijamos.

Nossos corpos suados quando se encontram, não querem se desgrudar. Não importa a situação, jamais será apenas sexo. Sempre fazemos amor. Seja a dois, românticos, em nossa cama; seja de maneira pervertida, com a cabeça em outras pessoas, fodendo com outras pessoas. Mas somos unidos pelo coração, pela alma. Então sempre será amor.

(Continua…)

Entrega – capítulo 4

_ Vamos fazer diferente. Fique em pé, de costas para mim. Apoie as mãos no encosto da cadeira.
_ Assim?
_ Isso. Que bunda linda você tem…
_ Pare, Denise, respondi sorrindo.
_ Tá bem, tá bem!

_ Então faça o seguinte. Feche os olhos. E pense em algo que te de muito tesão.
_ Meu Deus, não faço ideia.
Então percebo Rodrigo entrando no quarto.

_ Pense em André, amor. Pense nele tomando banho lá em casa. Pense em vocês dois no chuveiro.
_ André me deu tesão, muito…

Uma música ao estilo lounge com uma certa “pegada” indiana, começou a tocar vindo do notebook. E os clicks recomeçaram. Meus pensamentos voltaram no tempo. E lá estava André, comigo embaixo do chuveiro do quarto de hóspedes. Minha cintura começou a balançar, para um lado e para o outro, ao ritmo da melodia.

_ O que fizeram no chuveiro Liz? Denise provocou. (Click!)

_ Nos pegamos muito. Ele beija bem. Boca gostosa… Hum… Bati uma punheta gostosa pra ele.

Ouvi Denise dizer:

_ Abaixa o corpo gata e empina essa bunda. Não pára. (Click! Click!)

Só obedeci, sem tirar os pensamentos de André. E então, foi a vez de Rodrigo perguntar:

_ E o que mais, amor? Você deu sua buceta pra ele?
_ Não amor, mas ele tentou. Esfregou o pau pelo meu corpo todo. Apertou minha bunda. Me comeu com os dedos. Colocou o dedinho no meu cu.

_ Nossa, já estou de pau duro aqui. O que mais? (Click! Click!)
_ Mamou muito em meus seios. (Click!) Mordiscou meus bicos. Me ensaboou todinha, lentamente. Ele me pegou como você nunca fez.
_ É você mamou no pau daquele filho da puta?
_ Eu quis, mas naquela hora não aconteceu. (Click! Click!)
_ Deixa eu olhar você, Liz, Denise intercedeu.

Me virei em direção à eles. Já sentia minha buceta úmida. Naturalmente minhas pernas se abriram, como Denise anteriormente desejava.

_ Isso gata, você é divina! (click, click)

Meus dedos passaram a tocar todas as partes da minha buceta. Me contorcia e gemia baixinho, lembrando de André. Meu dedo médio naquela hora, na minha fantasia, se transformava na sua língua saboreando meu clitóris, percorrendo meus grandes, pequenos lábios. O polegar e o indicador da outra mão eram seus dentes, mordendo o bico do meu seio. (Click!)

_ Sente na cadeira, Liz.

Sentei, e olhei para baixo e vi meu corpo sob a luz dos holofotes. E então encontrei uma Liz que eu nunca havia reparado. Pude perceber detalhes de mim que antes passavam desapercebido. Eu estava linda, sentindo-me poderosa, decidida, dona de mim mesma, do meu próprio nariz, do meu destino. A responsável única pela minha própria felicidade. Nua, na mira das lentes de uma fotógrafa, percebi, então, que conseguia olhar claramente pra dentro de mim. Denise acabara não só de me despir por fora. Mas também por dentro. Por inteiro.
(Click! Click!)

_ Rodrigo, venha me ajudar. Tire sua camisa e seus sapatos. Ele vestia uma calca jeans, camisa e sapatos sociais.
_ Eu modelo? Não, por favor!

_ Venha logo, olhe pra sua mulher, cara, ela está ardendo de tesão. Você tem que foder ela, ou vai foder com nossas fotos!!!

Pensei: “Lá vem o coleguinha da classe, que adorava tomar bronca da professora exigente, pra perto de mim” (rsrsrs).

_ Quero você em pé, atrás dela, ordenou Denise.

Senti as mãos de Rodrigo acariciando meus ombros e meu pescoço.

_ Você está linda, Liz! Amo olhar pra você…

Queimando em fogo, tratei logo de cortar o romantismo dele.

_ Ama? Do mesmo jeito que amou ver André me comendo?
_ Sim, foi perfeito. Fiquei louco quando ele te pegou de quatro. Sente a língua dele na sua buceta amor. Chupando você todinha.
_ Aí, vem André, macho gostoso! Ahhh! Hummm!

Já estava completamente fora de mim. Já nem lembrava quem era Denise, muito menos Rodrigo.
Comecei a acelerar os movimentos dos dedos na minha xaninha encharcada. Rodrigo acariciava meus seios, apertava com cuidado os bicos, mordiscava minha orelha e tratava de lembrar lances da transa com André. De como ele me penetrou gostoso, depois de me chupar. Da cavalgada que dei na pica do nosso amigo, fazendo ele explodir de tesão. Não dava mais para parar. No vai e vem frenético dos meus dedos, o gozo veio. Forte, intenso. Como um choque de 2000 voltz.

Ahhhhhhhhhhhhhhh, puta que pariu, aaaaaaaaaahhhhhhhh!

Rodrigo teve que segurar a cadeira para eu não cair para o lado, tamanho o êxtase. Aos poucos, lentamente, comecei a reconhecer os cliques vindos da máquina de Denise. Rodrigo se posicionou ao meu lado, se abaixou e me deu beijo ardente na boca. Enquanto me beijava, segurei o pau dele, duríssimo, por fora da calça e comecei a massageá-lo. Sem tirar os lábios da minha boca, ele desabotoou a calça e a desceu um pouco, revelando à nossa amiga fotógrafa seu pau lindo e grande. Nossas bocas se desencontraram. Puxei Rodrigo contra mim, segurando em sua bunda.
_ Olha pra mim, filho da puta! Olha pra sua cadela. Toca uma punheta na minha cara!

(continua…)

As fotos que ilustram o capítulo pertencem e foram enviadas gentilmente pelo Casal 2.7.
Novos amigos virtuais e leitores do blog.

Onde a magia acontece – capítulo 3

Durante o caminho entre o café e o estúdio, deixamos de lado um pouco o assunto “fotos” e conversamos sobre nossa relação, nossas origens. Denise nos contou como surgiu o gosto pela fotografia, da mãe falecida e das influencias de seu pai.

_ É aqui neste prédio, chegamos. Pode parar o carro por aqui.

Denise residia em um prédio de 5 andares, bem antigo. Ele fazia esquina para uma rua de grande movimento da cidade e um beco, que durante o dia ficava bem movimentado, repleto de lojas comerciais. Mas quando anoitecia, se transformava em um ambiente sombrio e até um pouco perigoso. Suas marquises, nesta hora, davam espaço para sem tetos e alguns usuários de drogas. Na outra extremidade, o beco dava acesso a uma outra rua da região, bem próxima ao calçadão do comércio.
Paramos o carro bem em frente e subimos três lances de escadas. Já era tarde, mas ainda haviam crianças brincando na recepção do prédio.Quando entramos no apartamento, avistamos uma belíssima decoração. Um misto de contemporâneo com uns toques de elementos mais antigos, com um pezinho na cultura indiana. bem a cara daqueles spas de relaxamento. Um ambiente bem agradável e acolhedor.

_ Vou fazer mais um café para nós. Fiquem à vontade.

Rodrigo sentou no sofá e tomei a liberdade de olhar a prateleira de livros. Lá encontrei diversos títulos, dos mais variados assuntos. Arqueologia, muitos de fotografia, é claro; Osho, Kama Sutra, Tantra, que me chamaram a atenção. E os mais inusitados, falando sobre fusca. Sim, o carro.

Fomos surpreendidos pela volta de Denise. Com apenas uma camiseta regata branca deixando a lateral dos seios um pouco à mostra. E um shorts jeans, que revelava de vez seus quilinhos a mais, e várias outras tatuagens que havíamos visto anteriormente, pelo Instagram.

_ Qual mais gostou? Disse ela.
_Jamais imaginaria que uma fotógrafa seria fã de fusca.
_ Pois é, mais uma influência do meu pai. Ele é um apaixonado por fuscas, e em toda sua vida, só teve fuscas. Não consigo relembrar da minha infância dentro de outro carro. Cresci e acabei me apaixonando por eles também. Gosto do seu design, das curvas deles; lembram as curvas femininas. O capô, por exemplo, parece muito com a sua bunda linda Liz, completou ela, rindo e olhando fixamente para meus olhos, me deixando um pouco desconsertada.
_ Eh… e por que não tem o seu? Respondi, timidamente.
_ É o meu sonho, pretendo comprar ou reformar um em breve.
_ Vai conseguir logo, vai ter muito sucesso como fotógrafa, seu trabalho é fantástico, disse Rodrigo.
_ Deus te ouça… Então, é aqui que eu vivo. Gostaram? Tem dois quartos: o meu e outro utilizo como estúdio. Um banheiro e uma pequena cozinha com a área de serviço conjugada.
_ Sim, gostamos muito, É bem aconchegante. Você mora sozinha aqui?
_ Sim. Ainda busco o amor da minha vida. Mas enquanto ele não vem, me divirto com alguma amiga ou outra.

Nos olhamos novamente.

_ Amiga? Só namora mulheres? Perguntei.
_ Sim, não tenho paciência pra homem. E pinto que cresce e goza dentro de mim, jamais. Pinto pra mim tem que ser de borracha e vir com peito e buceta (risos).
_ Já foi chupada por uma mulher, Liz?

Abismada com nossa fotógrafa audaciosa e cheia de perguntas, fingi que não ouvi.

_ Isso é um não, já entendi. Devia experimentar. Não vai querer outra língua em você. Venham, venham conhecer o estúdio!

Denise fez do quarto principal – um pouco maior que o outro – o pequeno estúdio. Assim que entramos, ela acendeu as luzes e fechou a cortina preta, eliminando a pouca luminosidade que vinha de fora. O quarto não tinha nada além de uma mesa com um notebook, uma prateleira de metal repleta de lentes de câmeras, cd’s e dvd’s. Também 2 pedestais com lampadas de iluminação e um qie acredito ser um flash. Uma cadeira e uma sombrinha armada. Em uma das paredes, Denise adaptou para aqueles fundos curvos pra dar a noção de infinito.
_ E então? O que acharam?
_ Bonito, simples e muito funcional. Gostei muito, falou Digo.
_ Obrigado! Você realmente é observador! Procurei buscar isso mesmo, respondeu ela, ligando um dos holofotes e entrelaçando a alça da câmera na mão esquerda.
_ Tire a roupa, Liz.

Tomei um susto.

_ Oi? Como assim? Não iríamos combinar outro dia para a sessão?
_ Sim, hoje não serão fotos oficiais. Vamos Liz, só quero testar a iluminação em seu corpo. Quero entregar para vocês o melhor resultado. Se quiser, pode usar o banheiro, enquanto ajeito umas coisas.

Rodrigo abriu um sorriso. Respirei firme e resolvi ficar ali mesmo. Afinal, ficar nua não era problema. Mas aquela nova situação passou a gerar uma certa tensão em mim.

_ Rodrigo, se incomoda em colocar esta cadeira ali no centro?

Ele ficou sem entender, mas atendeu ao pedido. Agarrou a cadeira e levou para o meio do pequeno quarto.
Denise não tirou os olhos de mim enquanto tirava a roupa. Estava concentrada nos ajustes para as fotos, mas fugia a atenção em minha direção sempre. Pensei: calma Liz, ela vai te fotografar, é so um trabalho… Mas ela acabou de dizer que é lésbica! Será? Ai meu Deusss!

_ Vou procurar valorizar cada curva desse seu corpo lindo Liz. Senta ali na cadeira.
_ Tá certo.

Nossa fotógrafa girou um pedestal pra direita, pra esquerda, se posicionou em.minha frente e começou a clicar.

_ Se já viu outros ensaios já sabe o que tem que ser feito né?
_ Acho que sim, respondi.
_ Então vamos lá querida. Vou te ajudando, certo?
_ Ok. Respirei fundo e olhei para Rodrigo. Ele estava em pé, encostado no batente da porta. E parecia hipnotizado.
_ Eh, o que eu faço? Estou meio perdida com os braços…

Rodrigo, mais tarado impossível, já estava com o celular na mão para também registrar o momento.

_ Cruze as pernas, apoie os braços nos encostos.da cadeira. Isso… Agora coloque sua cabeça para trás.

E assim fiz.

_ Ótimo.
_ Com os olhos fechados e ainda um pouco nervosa, pude ouvir uma sequência grande de clicks que vinham da câmera de Denise.
_ Agora quero que nesta posição você descruze as pernas e abra elas um pouco…

Descruzei, mas não conseguia abri-las. Algo me travou e aquilo que aparentemente parecia fácil começou a ficar complicado.

_ Tudo bem? Disse Denise.
_ Sim, acho que estou um pouco nervosa, só isso.
_ Não se preocupe. Se solte, relaxe. Recomeçamos. Rodrigo que tal colocar este celular no bolso e pedir uma comida para nós? Tem dinheiro em cima da mesa da sala.
_ Claro vou pedir. O que prefere?
_ O que você decidir está bacana, Denise respondeu.
_ Certo, mas deixe que eu acerto a conta.
_ Como quiser. Agora me deixe um pouco a sós com Liz.
_ Tudo bem. E saiu parecendo aqueles garotos de colégio que acaram de levar uma bronca da professora.

Eu estava ali, nua, e nervosa na frente de uma desconhecida fotógrafa lésbica. Não conseguia encarar Denise de frente. Percebi que ela voltava a fazer alguns ajustes na iluminação. Então plugou a câmera no notebook, que já estava ligado e escolheu uma das poucas fotos que havia tirado.

_ Esta é você. O que acha?
_ Nossa… Ficou linda!

Denise então me abracou por trás. E senti meu corpo arrepiar de cima abaixo.

_ Pode ficar muito melhor, ela disse, esticando o pescoço para o lado, em direção à tela. Mas precisa me ajudar.
_ Sim eu sei, vou tentar.
_ Você quer fazer isso? Ou é um desejo só dele?
_ Partiu de Rodrigo sim. Relutei no começo. Mas depois passei a curtir a ideia. Por isso estamos os dois aqui.

Ficamos em silêncio por uns instantes. Denise passou por mais umas duas ou três fotos. Eu olhava fixadamente para a tela do computador, procurando descobrir qual Liz deveria estar ali.

_ Ei, exclamou.
_ Olhei para o lado e nos encaramos.

Ela segurou em.meus braços e disse:

_ Traga pra cá a Liz que fez você vir até mim.

Nossos olhos não conseguiam desgrudar um do outro. Senti uma atração louca, diferente. E numa reação impensada, quase irresponsável, beijei Denise. Nossas bocas se encontraram estáticas. Mas antes que elas se soltassem, Denise me abraçou forte. E então nossas línguas se cruzaram num amasso quente e demorado. Um beijo de cumplicidade única, um beijo de entrega.

_ Desculpe, eu não queria…
_ Não? Me entristece dizendo isso, Liz.
_ Não, calma. Meu corpo quis sim. Mas não foi certo.
_ Se foi certo ou não, nós vamos descobrir. Mas foi bom.
_ Sim, foi muito bom. Sorrimos.
_ Vamos tentar de novo?
_ Sim.

(continua…)

Decidimos voltar ao Instagram, até ele nos bloquear de novo. Nos sigam por lá! @lizedigo