Isso que dá transar com garotos

Essa semana minha esposa foi ao oculista adquirir uma lente de contato. Enquanto aguardava a consulta, um outro paciente, um garotão de uns 23 anos começou a olhar insistentemente para as pernas. Estava de saia curta e tem pernas bonitas e gostosas. Aproveitando uma oportunidade ele puxou conversa e foi se apresentando, sempre sem tirar os olhos das pernas dela. E ela quis ver até onde ele ia. Me mandou um zap relatando que estava a fim de ver o que o garoto faria e eu disse ok, segue em frente.

Quando acabaram a consulta, ele ofereceu carona para ela, que aceitou prontamente e me mandou o localizador do zap para acompanhá-la. Vi e acompanhei o caminho deles o tempo todo. E óbvio, o carinha foi direto para um motel. Isso me deixou ansioso e de pau duro.

Preparei-me para receber alguma imagem ou notícias dela. Eis que vinte minutos depois, vejo que estão se movimentando. Eles saíram do local, ficando evidente que estavam vindo em direção à nossa casa. Quando percebi que se aproximavam de casa, fui à portaria do prédio para recebê-la. O cara não acreditou quando abri a porta do carro para que ela saísse, dando um beijo bem gostoso e molhado nela. O garoto ficou branco quando me viu. Ficou paralisado dentro do carro. Foi fantástico ver a cara dele. Convidei ele para subir ao apartamento, mas sem muita ideia do que se passava, ele disse que não podia, e assim que fechei a porta do carro, saiu em disparada.

Subimos para o apartamento e ela foi me contando que no motel ele, desesperado, só queria enfiar. Mal se despiram e ele, alucinado, não conseguia calma suficiente para achar sua buceta. Me contou que, tentando acalmá-lo, pediu para que ele deitasse de costas e subiu nele. Vendo seu desespero, sentou em seu pau e, quando deu um leve gemido de satisfação, o carinha gozou tudo de uma só vez, murchando completamente, a ponto de sair de dentro.

Disse querer ir embora todo envergonhado e já levantou indo ao banheiro para se limpar. Ela foi atrás para tentar mais alguma coisa, mas ele se fechou e saiu correndo para se vestir, pedindo insistentemente para que fossem embora. Pediu a conta pelo interfone e sem se quer olhar pra ela, foi saindo e pedindo para ela se apressar.

Aí, claro, dei o trato que ela sempre merece. Trepamos por mais de uma hora, onde senti como ela estava molhada e ansiosa por uma foda.

– conto gentilmente cedido pelo Casal Total

——–

Começamos a escrever sem muitas pretensões, ou melhor, nenhuma pretensão. E, normalmente, é assim com todos que começam a escrever. Começam com um ou dois parágrafos; depois partem para um texto de 15 linhas; e logo capítulos e obras inteiras, num piscar de olhos. A questão é: o que escrever? O que me dá prazer de narrar e compartilhar? Já pensamos em poesia, música. Mas nós gostamos de contos. Será um dom escrever contos eróticos? Será? kkkk!

Frequentemente estamos fantasiamos com alguma situação que nos excita. Pode ser em casa, no trabalho, no supermercado, em qualquer lugar. E não tem hora pra acontecer. Mas quando acontece, sempre dividimos um com o outro, sem frescuras, sem pudores. Por telefone, mensagens de whatsapp, no meio de uma reunião chata, no banheiro e, claro, trepando gostoso na cama ou em qualquer outro lugar.

Vocês nos perguntam: mas os textos que publicam são exatamente o que fantasiam? No início até acontecia assim. Mas hoje, em quase 100% das vezes, damos uma “floreada” em nossos textos. E por vários motivos. O principal deles é sempre estamos tentando entender o que você, nosso leitor, quer de nós. É simples: através das ferramentas que temos em mãos (relatórios online e em tempo real, feedbacks) conseguimos entender que resposta cada capítulo representa para vocês. Então, as interferências nos textos são constantes, sempre com o objetivo de deixá-los ainda mais excitantes.

E se escrever já nos dá prazer, escrever sobre nossas fantasias nos dá prazer dobrado. Quer dizer, triplicado, se levarmos em consideração que gozamos fantasiando tudo aquilo que vocês leem ou ainda vão ler.
Aos poucos, começamos a receber contatos das pessoas, sempre muito amáveis e simpáticas, relatando algo como: “Já gozei várias vezes lendo vocês”. “Eu e meu marido sempre transamos depois que lemos os seus contos”! Já nos perguntaram até se as Histórias de Liz poderiam virar um roteiro de filme. Seria maravilhoso por um lado, mas por outro temos muito receio. Pois seria um filme baseado na percepção de alguém sobre nossas aventuras imaginárias. Que é diferente da nossa percepção, da percepção de vocês. É como ler 50 Tons de Cinza e depois assistir o filme. Nós não curtimos o filme tanto quanto o livro. Porque o texto se completa com a imaginação. Este é o grande charme da leitura. O certo é que nossa brincadeira sem pretensão, que já é quase um ofício, cumpre o papel que sempre desejamos: faz as pessoas gozar com palavras. E, gente, isto é incrível e só nos enche de felicidade.

Temos recebido sempre fotos ousadas de casais para serem postadas junto aos capítulos. Mas, na última semana fomos surpreendidos com o contato de um de nossos maiores fãs, aqueles que não perdem um capítulo, que sempre nos prestigiam e enviam comentários, tão logo a gente publica um novo texto. Pelo Whatsapp, nos pediram para avaliar um conto que eles escreveram juntos. Este aí de cima, que vocês acabaram de ler. Algo que nunca fizeram, mas que por influência nossa, resolveram tentar. Que incrível!!!! Fazemos as pessoas gozarem, se amarem, e agora incentivamos elas também a escrever.

Independente de qualquer avaliação, é lógico que não deixaríamos jamais de publicar esse presente, com as devidas permissões dos autores. Queremos agradecer imensamente ao casal por todo carinho e pela coragem de expor uma de suas fantasias para todos nós.

Um carnaval consciente e de muita paz para todos! Tem um texto especial saindo do forno. Vamos ver se dá tempo de publicar antes da quarta-feira de cinzas!!!!!

Beijos e abraços meus e da Liz!

Dominadora – Capítulo 11

  _ Seu gosto é bom moça. Esfrega mais.
_ Limpa minha buceta toda Aílton! Humm, nossa, que gostoso!
Não sei onde estava com a cabeça. Rodrigo à quilômetros de distância e eu esfregando minha xaninha melada de gozo no rosto de um desconhecido. Mas Aílton tinha uma língua maravilhosa e sua boca, sua barba por fazer, roçando minha pele, me davam arrepios e me faziam tremer, de cima a baixo.
Extasiada e cansada, me deitei sobre o corpo dele, ainda com as pernas abertas e a bunda próxima ao seu rosto. Me aninhei em sua virilha, frente à frente com a cabeça do pau, que ainda estava amolecido, mas já ameaçava algum movimento. Então resolvi testar a capacidade de recuperação de nosso ajudante. Comecei a passar a ponta da língua na sua glande. Recebi em troca movimentos involuntários. Então, me estiquei um pouco mais e coloquei ela toda na boca, mamando bem devagar. Às vezes tirava e observava. Mas, quando segurei com os dentes a base da cabeça e comecei a passar a língua em toda sua extensão, a reação foi imediata. Senti ele crescendo e endurecendo novamente.
Então olhei Denise. Estava parada no rio, de costas pra nós, parecia pensativa. Frustrando qualquer nova expectativa de Aílton, larguei o membro dele, levantei e caminhei lentamente até a água. Enquanto me aproximava, Denise submergiu. E, ao mesmo tempo mergulhei, em sua direção. Voltamos à superfície praticamente juntas. Ela se assustou com minha presença. Eu precisava saciar aquele desejo que me consumia, de vez. E não ia existir melhor oportunidade. Não como aquela, onde tudo era perfeito e favorável. Nosso encontro definitivo tinha que acontecer naquela hora.
Abracei-a por trás, lambendo e beijando seu pescoço:
_ Gostosa, eu quero você, preciso de você, falei.
_ Ai, Liz, como você demorou, como pode ser tão insaciável?!
_ Sou. Mas agora sou sua, é só o que importa.
Os bicos dos seios volumosos de Denise estavam duríssimos; ela sussurrava baixinho a cada beliscãozinho que eu dava neles. Meus dedos molhados também sabiam tocá-los, suavemente, provocando arrepios. Como era bom apertá-la, toda fofinha, mas com tudo no lugar, durinha. Uma delícia de mulher! Percorria com as mãos todo seu corpo molhado e quente. A água e o sol que invadiam nossos poros. Minha fotógrafa já estava entregue. Primeiro no estúdio, depois no carro. Sabíamos que uma hora aquilo ia acontecer.
Toquei sua virilha e comecei a acariciar seus pelinhos. Desci um pouco mais, e pude preencher minha mão com uma buceta grande e macia. Na hora desejei ela na minha boca. Não demorou para que eu encontrasse seu grelo. Denise gemeu forte, ergueu os braços, e entrelaçou os dedos atrás do meu pescoço.
_ Ahhhhh! Assim…
Virou-se para cima e seus olhos me encontraram.
_ Você é a mulher mais gostosa que eu já toquei. Desejei você desde o primeiro momento que te vi. E me beijou… um beijo ainda mais quente e gostoso que os anteriores.
Denise se virou e nos ajoelhamos, uma de frente para a outra, ficando apenas com as cabeças para fora da água. Nos abraçamos forte e ela se pendurou no meu pescoço, cruzando as pernas por trás de mim, como se estivesse no meu colo. Nossas bocas não se desgrudavam um segundo. Turistas poderiam aparecer a qualquer hora. Um risco enorme. Mas nada tiraria aquele momento de nós duas.
Aílton… Onde vocês estariam se estivessem na pele do Aílton? Claro, dentro da água, próximo a nós, se masturbando, com aquela respeituosidade de sempre. Um homem todo “bruto”, mas que soube entender que aquele lance era só nosso. Que não haveria espaço pra mais um. Então, o restava vistoriar todos os lados, em busca de um bote chegando ou de pessoas observando. Mas também olhava para nós, cheio de desejo. A água chacoalhava perto dele. Era sua mão, manobrando sua pica grande, em busca de mais um orgasmo.
Denise estava “pendurada” em mim. Meu braço direito a enlaçava pelas costas e minha mão direita aproveitava para desvendar sua buceta gostosa. Comecei acariciando seu clitóris, lentamente, e assim que percebi que ela estava lubrificada, coloquei o dedo médio dentro dela. Sua reação foi pressionar meu corpo contra o dela ainda mais. Aos poucos ia acelerando os movimentos. E não demorou para o dedo indicador também fazer parte da brincadeira. Denise gemia alto:
_ Ahhhh, puta que pariu, Liz, não tô acostumada com uma mulher me dominando, hummm, isso!
_ Prefere estar no meu lugar, é?
_ Até hoje eu preferia, mas com você é diferente… ai!
_ É? Sou sua putinha gostosa sou?
_ Você é um tesão, gata!
_ E você é minha “bolacheira” safada. Vou fazer você gozar gostoso!
_ Isso, faz, eu quero, muito. Ahhh!
Aquilo era novidade pra mim. Nunca imaginei que outra mulher ia me proporcionar um sarro tão gostoso. Amassos, apertões, beijos, mordidas, carícias. Trepar com homens é bom demais, mas com outra mulher é ainda melhor. Uma mulher entende o que a outra quer, e como quer. Porque é exatamente isso que ela também deseja. E, particularmente, aquela situação revelava em mim uma mulher dominadora, que até então não sabia que existia. Não sei se era porque já havia gozado na cara de Aílton, estava teoricamente “satisfeita”, mas estar no comando era novo, intenso e sensacional.
Nossos corpos pareciam ímãs dentro da água. Denise demonstrava querer ficar ali mesmo, gozar ali mesmo. Mas eu precisava explorar mais aquela nova situação. Nos soltamos e virei em direção à margem. E levei Denise comigo, puxada pelo braço. Aílton continuava ali, ao lado do bote, sentado e atento a tudo, apalpando sua pica como um adolescente punheteiro. Saímos da água e fiz minha fotógrafa deitar na areia, perto da margem. Deitei por cima dela, encontrei sua boca, mais uma vez. Era hora de percorrer todo seu corpo com a língua.
(continua…)
* Que delícia quando recebemos pedidos para publicarmos fotos de nossos leitores no blog. Muitos relatam que gozam lendo nossos contos e, para nós isso é a recompensa. As fotos deste capítulo são dos queridos @coupletesao. #adoramos