Luxúria – capítulo 7

Estávamos excitadíssimos com a nova sessão de fotos. Denise cheia de segredos e, pra piorar, a viagem de Rodrigo. Por um lado, ela veio em boa hora, pois pude passar mais tempo com meus pais durante aqueles dias. Mas estava muito difícil pensar naquilo tudo que estávamos realizando e não querer estar com Digo, trepar gostoso com Digo. Sem ele, só me restava brincar sozinha com meus dedos e brinquedinhos. Falávamos sacanagens o dia todo pelo Whatsapp e, na sexta-feira,cheguei a me tocar e gozar no banheiro do trabalho.
No sábado, resolvi dormir cedo para acordar bem disposta no dia seguinte. Mas a ansiedade não permitia que o sono chegasse. Passei o final da noite toda no quarto, com a TV e notebook ligados, sem conseguir me concentrar direito em nada. Eram quase 10 horas quando Rodrigo liga do hotel, em Recife:

_ Oi meu tesão. Está fazendo o quê? Pronta para amanhã?
_ Aí amor, estou um pouco tensa, apreensiva. Queria que estivesse aqui.
_ Eu estou aí, não está sentindo?
_ Eu sei amor, mas é diferente. Seu carinho me protege, me acalma. Eu estou quente…
_ O dia de amanhã é uma incógnita e isso está te deixando nervosa, não é? (Risos)
_ Pára Digo, é sério.
_ Faz o seguinte: onde está Agora?
_ Na nossa cama, vendo uns e-mails de trabalho no notebook.
_ Está nua?
_ Não totalmente, só de calcinha. Estava me tocando agora pouco e pensando em nós. Mas perdi a vontade. Não é a mesma coisa sem você aqui.
_ Então entra no Lust Cinema e escolhe um daqueles filmes.
_ Mas amor, prometemos que só íamos assistir os vídeos desse site juntos.
_ Tudo bem, depois assistimos novamente aquele que você assistir agora. Mas assista.

_ Pera… Pronto, entrei. Escolhi um chamado “We know you are whatching”.
_ O que significa Liz, sabe que sou péssimo em Inglês…
_ Significa: Nós sabemos que você está olhando.
_ Hum… olhar adoro. Clica ai e vai me contando.

_ É uma jovem, ela é linda. Está tomando café e olhando pela janela. Ela tem vizinhos no prédio em frente. Um casal. Nooossa… Hum… eles estão se pegando com a janela aberta. E ela observado…
_ Ela é tipo Rob e Mile? Safadinhos?
_ Tipo você também.
_ É, eu gosto… E o que mais?
_ Hummm eles perceberam que ela os olhava. Deixaram-na toda sem graça. Estão trocando mensagens escritas em papel pela janela. Ai que delícia, convidaram ela pra visitá-los!
_ Hummmm, o bicho vai pegar!
_ O marido abriu a porta e ela está entrando… Caraca amor que casal gostoso. Eu quero fuder com um assim!
_ Vou te dar essa fantasia, amor. O que você está fazendo agora? Já estou me masturbando aqui, imaginando você ai. Imagine que você é a vizinha.
_ Amor, vou colocar no viva voz.
_ Porque?
_ Não consigo me tocar e segurar o telefone… Caralho amor, eles são muito gostosos, puta que pariu. Tô molhada aqui. O pau dele parece com o seu! Aff… hummm!
_ Me conta, o que estão fazendo?
_ Estão na cama tirando a roupa dela.
_ Elas estão se pegando gostoso. E ele acariciando a esposa. Ai, que delícia, tesão da porra. Eu quero, quero ser ela.
_ Isso, amor, que tesão. Seja ela, imagine-se ali. Pega ela gostoso…
_ Beijo gostoso que ela tem, amor. Nossa. Estou sentindo as mãos dele em mim… macho gostoso!

Nessa hora, eu já estava sem a calcinha, deitada na cama e encostada nos travesseiros, com as pernas bem abertas e o notebook no meio delas.

_ Ele quer te foder, amor?
_ Quer Digo, você deixa?
_ Claro que eu deixo.
_ Estamos mamando as duas no pau dele. Que tesão! Pau grande, cheiroso…
_ Isso cadela, chupa e imagina que eu estou observando vocês.
_ Hummm, agora ele veio me chupar amor.
_ Ai, boca gostosa… Ela esta na cama de quatro me beijando, enquanto ele me chupa. Minha buceta está toda babada amor, quer gozar!

_ Goza gostosa! Meu pau está duro aqui. Vou gozar gostoso pensando nessa safadeza!

_ Agora ele está comendo ela de quatro. Que delicia de casal….Vem, me come vizinho tesudo… cavalo gostoso! Ele vai me comer amor. Estou com as pernas arreganhadas na frente dele. Hummm…
_ Amor que pau gostoso ele tem puta que o pariu! Macho! Vem me fode gostoso!!!

_ Hummmmmmm Aiii, assim!
_ Amor, me fala… Amor?
_ Veeeem, vemmm, me faz gozar! Ahhhhhhh! Sim!!! Caralho que delícia! Huuuuummmm!
(Silêncio)…
_ Amor, amorzinho?

Acordei com o despertador sem saber o que havia acontecido direito. Estava nua. O notebook desligado, provavelmente por falta de bateria. E o celular ao meu lado. Meu Deus, apaguei e deixei Rodrigo no telefone sozinho. Mas não tinha tempo pra nada. Precisava me preparar para as fotos.

Olhei para fora e o céu estava limpo. Sinal de um dia de muito calor. Comi rápido. E tomei uma ducha gelada para refrescar. Coloquei apenas um short jeans, uma camiseta branca e chinelos. Uma maquiagem leve e pronto. Rua.
Cheguei ao prédio de Denise com uns 15 minutos de atraso. Ela já me esperava la embaixo. Junto dela, seus apetrechos.

_ Bom dia, Denise!
_ Vem aqui atrasadinha, vamos levar isso para o porta malas. Cadê Rodrigo?

Pude perceber que além da câmera, Denise carregava uma iluminação pequena e uma espécie de pano dourado em formato oval
.
_ Um “bom dia” também é bacana né? Só por isso nao vai ganhar selinho, provoquei.

Ela me olhou contrariada.

_ Rodrigo não vem. Teve que viajar.
_ Sério? Ele te liberou?
_ Claro… como vai manusear todos estes equipamentos e ainda fotografar?
_ Tenho vários ajudantes espalhados por ai. Você vai conhecê-los.

_ Como?

Denise apenas sorriu, ironicamente.
_ E esse pano dourado pra que serve?
_ É um rebatedor de luz. Quando usarmos eu te explico melhor como ele funciona. Agora vai, pula para o carona. Eu que vou dirigir. Já sei onde serão nossas locações. E pegue esta sacola. Tem biquínis e cangas ai dentro. Vai provando eles no caminho.

(continua…)


Assista na íntegra

Marina e Marcio

Todo casal iniciante e curioso, como nós, deve ter muitas dúvidas na cabeça, quando o assunto é relacionamento aberto: quando iniciar, como iniciar, se vai rolar ciúmes… Acreditamos também, que assim como nós, estes casais devam passear pelos milhares de sites e perfis de redes sociais que tratam do assunto, tanto nos brasileiros quanto os gringos.

Dias atrás, fomos surpreendidos por um blog muito bacana, de um casal swinger chamado Marina e Marcio. Um verdadeiro guia para quem já está ou quer iniciar nesta nova forma de relacionamento. Contos eróticos, dicas fantásticas de pousadas, hotéis e viagens liberais, testados e aprovados por eles mesmos. E até assuntos que causam uma certa polêmica. Ah, é claro, muitas fotos e vídeos do casal, para deleite de nossas imaginações.

Vale muito a pena navegar por todos os textos e áreas do blog. E dá pra notar que ele é feito com muito carinho pelo casal. A eles nossos beijos, abraços e agradecimentos pelo conteúdo maravilhoso.

Quem sabe não possamos conhece-los pessoalmente em breve.

www.marinaemarcio.com.br

Capítulo 6 – Sozinha

Colocamos nossas roupas e antes de nos despedirmos de Denise, ela nos ofereceu água e o café coado antes da sessão. Depois, pulou para frente do computador, para descarregar as imagens que acabara de registrar.

_ E ai? Curtiram a noite?
_ Estamos acabados, Digo respondeu. Mas quem tem que dizer se curtiu é você. Você é a fotógrafa.
_ Vocês foram ótimos. Mas nem começamos. Hoje foi só um aperitivo.
_ Proteja bem essas fotos hein, garota? Não queremos recebê-las em algum grupo de Whastapp, ironizou Digo.
_ Eu tenho cara de amadora, garoto? Hum… se bem que esse dedinho da Liz ia fazer sucesso na rede.
_ Hahaha, gargalhamos alto.
_ Nem brinque com isso, respondi.

Nos despedimos com beijos. E Denise não perdeu a oportunidade de me dar um selinho e um abraço apertado. Fiquei toda sem graça com a atitude dela, diante da presença do meu noivo.

_ E quando iniciamos pra valer?
_ Aguarde meu contato, esteja pronta.

Dentro carro, fizemos todo o trajeto, até em casa, de mãos dadas. A cada sinal fechado, beijos ardentes, como se fossemos namoradinhos recentes. Estávamos concluindo que a cada nova aventura, nosso relacionamento só melhorava. Passamos, mais uma vez, a cuidar mais um do outro, dentro e fora de casa. As mensagens amorosas pelo Whatsapp e os mimos tornaram-se mais frequentes. Mas eu estava um pouco incomodada com a situação do beijo em Denise durante as fotos. Então resolvi conversar, pois sabia que teria o conforto que eu precisava na palavra de Rodrigo.

_ Amor, hoje aconteceu uma coisa que eu precisava te contar.
_ O que, Liz?
_ Enquanto você estava fora do quarto, naquele momento em que eu fiquei tensa, eu e Denise… nos beijamos.
_ Hum, mas como foi?
_ Foi quente, intenso. Ela estava tentando me acalmar e se aproximou. Acho que perdemos o controle da situação.

Ele ficou em silencio por alguns instantes e perguntou:

_ Acha que isso pode gerar algum tipo de sentimento, sei lá?
_ Não amor, claro que não. Ela me acalmou. E todo aquele clima, sei lá. Eu estava super excitada. E o beijo me fez bem, me tranquilizou.
_ Tudo bem amor, eu entendo. Fique calma. Fico feliz que tenha me contado.

Era tudo que eu queria ouvir. Ter beijado Denise longe de Rodrigo me incomodava, mas estava absolutamente tranquila quanto aos sentimentos que aquele momento me proporcionaram.

_ Apertei a mão de Rodrigo e nos olhamos. Afinal foi ele quem me colocou naquela loucura. Entramos juntos nela. E sabia que sairíamos juntos. Daquela e de todas as outras.

Chegamos em casa, largamos as roupas na sala e fomos direto para o banho. Estávamos suados, quentes ainda, cheirando a sexo. Nos pegamos muito embaixo do chuveiro. Rodrigo, mesmo cansado, ainda conseguiu se excitar. Não perdi a oportunidade de mamar naquele pau gostoso novamente, antes de me penetrar em pé, eu de costas para ele. E gozou rápido. Dentro de mim. Amo quando ele faz isso. Na minha opinião, gozar dentro é o ápice da intimidade entre duas pessoas. A entrega total um ao outro. Dois corpos se transformando em um só.

Já na cama, nos abraçamos e ele me perguntou:

_ Aquilo que fez comigo foi… foi… interessante.
_ Você gostou, amor?
_ Sensação diferente. Seu boquete ficou muito melhor.
_ Está se sentindo bem? Esta com medo de gostar e querer experimentar sensações… maiores? (Risos)

_ NUNCA! Gosto de buceta, entendeu? B U C E T A! Nada contra quem gosta, mas o que me da tesão é o que você tem entre as pernas!
_ Tá, amor, entendi! Mas hoje você descobriu que gosta também de dedinho, D E D I N H O!!!
_ Erh… o seu Liz, e só o seu! Tá me ouvindo?
_ Claro amor, como quiser! (Risos)
_ Agora vamos dormir, temos que acordar cedo amanhã.

Como foi difícil obedecer o despertador na manhã seguinte. Estávamos exaustos da noite anterior. Durante o café, prontos para sair, recebemos uma mensagem de Denise:

Bom dia. Dormiram bem, amores? Podemos continuar no domingo pela manhã?

_ Olha a mensagem de Denise, amor. Disse Rodrigo, me passando o celular.
_ Hum, por mim tudo bem. Fazemos as fotos e depois vamos direto pra casa da minha mãe almoçar.
_ Certo, deixa eu respondê-la.

Tudo certo, Denise, estaremos aí. Que horas quer começar?

Estejam aqui as seis em ponto.

Pqp, pq tão cedo?

Vamos passear, queridos!

Passear? Não vamos tirar as fotos no seu estúdio?

No meu estúdio? Estamos em Alagoas, você quer um
trabalho excelente, não quer?

É Claro.

Então deixe eu usar as minhas armas. Sol, calor e o mar.
E sem mais perguntas!

Ok, fotógrafa até domingo.

Tudo combinado para domingo. Estava tensa e ansiosa para saber o que Denise ia aprontar comigo. Ela deixou no ar que faríamos fotos ao ar livre. Mas onde? Em público?

Na quarta a tarde, no meio do expediente, Rodrigo manda uma mensagem frustrante:

_ Amor. Tô puto aqui. Ari programou uma viajem para mim
amanhã até Recife. Para aquela reunião que lhe falei.
Volto apenas no domingo, à noite.

_ Mas amor, e o ensaio?

_ Pois é, eu tentei resolver de outra maneira, disse que
tínhamos um compromisso, mas ele justificou ser
essencial minha presença lá. Estamos fechando
um grande negócio, você sabe.

_ Poxa, Digo…

_ Mas não desmarque. Vá sozinha. Acredito que vai ficar
mais tranquila. E eu, mais ansioso pelo resultado do ensaio.

_ Tem certeza?

_ Sim.

_ Amor, estou com medo que Denise tente
alguma coisa.

_ Amor, vocês vão passear, lembra? Ela não vai ser louca
de te atacar em público. E nós estaremos conversando
o tempo todo por aqui.

_ Tá certo. Até mais tarde então.

_ Até, amo você!

_ Tbem!

(continua…)

Fotos deste post de propriedade e enviadas por um casal leitor de nosso blog.

The Oscar goes to…

Aconteceu um lance muito excitante nesse final de semana. Liz me pediu pra fazer um backup em nuvem do conteúdo do HD externo que ela leva pra cima e para baixo. Como não sou bobo nem inocente, antes de realizar seu pedido, fiz uma pesquisa rápida nos arquivos de foto e vídeo. A grande maioria registros de família, de trabalho. Fui olhando com calma cada miniatura exibida na tela. Ai dou de cara com uma onde a imagem estava um pouco escura. Quando eu abro… Uau!!!! Um videozinho da Liz trepando com um ex-namorado!!!! Bicha safada!!! Meu coração veio na garganta! O vídeo estava bem escuro. Então logo tratei de jogar o arquivo num editor e consegui dar uma clareada nele. Que tesão que me deu, puta que o pariu! Meu pau explodiu dentro da calça já na primeira cena. Era o cara que estava filmando com um celular. Ele mirou no pau e lá veio Liz dar aquela mamada gostosa. Sua língua percorria o membro todo do cidadão, que não era grande. Ele segurava ela pela cabeça e gemia forte. Chamava ela de gostosa e falava palavrões o tempo todo. Logo depois, dá pra ver ela se jogando na cama pegando o celular. O cabra começa a chupar ela de cima abaixo da buceta. Ela geme gostoso e segura a cabeça dele. Depois ele monta nela num belo papai e mamãe. A essa altura eu já tava com o meu pau para fora da calça. A doida primeiro filmou os dois de lado e depois, pela frente, deu um close no mastro do cara entrando e saindo dela, durante uns belos minutos. Caralho, trepada boa da porra! Essa é minha garota! Nossa!
Depois, se levantou, devolveu o celular pro cara e empinou o rabão delicioso que Deus lhe deu, na beirada da cama, para que ele se deliciasse comendo ela de quatro. Socadas, gemidos, socadas… e sabem o que aconteceu depois?

O idiota cortou a gravação!!! Miserável! Caceta!!! Burro!!! kkkkk

Fui para o quarto e sem dizer nada peguei a moça de jeito. Mas antes liguei o celular e registrei. Tem um pedacinho pequeno ai embaixo pra vocês!!!

Só que agora não sei o que eu faço! Me ajudem!

Ver resultados

Carregando ... Carregando ...

Boa semana. Um novo capítulo vem aí!

Macho dominado – capítulo 5

É incrível o poder que Rodrigo tem de me transformar numa vagabunda. Ele sabe colocar as palavras, os gestos e as atitudes na hora certa, e aflorar o tesão que existe dentro de mim. Antes eu era só uma jovem presa em meus valores, nas crenças religiosas impostas pela minha família e cheia de desejos presos na garganta. Agora eu sou uma puta, a puta do meu noivo. Estou livre e sou muito mais feliz.

Digo parou em minha frente e começou a massagear sua pica deliciosa, delicadamente, bem perto ao meu rosto. Eu ainda sentia, percorrendo meu corpo, os efeitos do orgasmo que acabava de ter. E percebi os cliques da câmera de Denise por trás de mim. 

A vara do meu noivo já estava duríssima. Ali, tão pertinho, era impossível não querer ela dentro da minha boca. Então comecei lambendo ela devagar, pela glande. E fiz ele gemer baixinho.

Isso, que tesão, Liz. Chupa e olha pra mim! Continua passando a língua nele devagarinho, disse Denise. (click, click!)

Afastei a mão de Digo e eu mesma passei a massagear seu cacete duro. Percebia que ele me olhava sempre, acompanhando cada movimento meu, cheio de orgulho, pela noivinha pervertida que ele tinha.

_ Caralho, boca gostosa amor.

_ Não vai haver no mundo pica mais gostosa que a sua, Digo.

_ É? Então chupa, ela é toda sua!

Toda mulher tem a obrigação de saber deixar seu companheiro louco durante o sexo oral. Tem que executar os movimentos em cada região do pênis e acompanhar a reação dele. Assim ela vai descobrindo onde é que seu homem sente mais prazer, para levá-lo ao êxtase, sempre. Rodrigo, por exemplo, vai ao “paraíso” quando lambo e beijo suas bolas. Antes, é claro, percorro com a língua a extensão toda do pau e, depois dou dedicação especial lá embaixo. Mas desta vez fiz um pouquinho diferente…

Denise circulava por nós o tempo todo. Sorria de satisfação. Talvez por também ser A primeira experiência dela fotografando algo tão erótico. Minha dedicação era total nos testículos de Digo. A mão direita segurava seu pau para cima. Ele tremia e pressionava, com as mãos, minha cabeça ao seu encontro. Foi então que passei a mão oesquerda por baixo de suas pernas, e sem deixar que ele interrompesse, coloquei a ponta do dedo médio no seu ânus. Como uma menina arteira, parei de chupa-lo só para observar sua reação. Senti suas nádegas travarem seguido de um gemido alto.

_ Aaaaahhhhh!

Confesso que fiquei com um pouco de medo de como ele iria reagir. De, talvez, quebrar o clima gostoso que havíamos criado e prejudicar as fotos. Mas não tirei o dedo. Pelo contrário, pressionei um pouco mais. Ele me olhou, agarrou meus cabelos e relaxou.

_ Quer que eu tire?

_ Não. Mas pare por ai.

Denise estava ao nosso lado, mas, por um momento, não ouvi mais os cliques da câmera. Acho que ela ficou tão interessada na reação de Rodrigo quanto eu. Então voltei a mamar suas bolas, mas agora massageando cuidadosamente seu esfincter. O dedo ia entrando sempre um pouquinho mais. Então tirava e colocava novamente, sempre com a língua e a outra mão completando o serviço. 

_ Caralho, que sensação deliciosa Liz, ah, ah! Mama gostoso, vadia! Eu quero gozar!

Naquela noite, aprendi a deixar um macho totalmente entregue a mim. Ali, com a boca no seu pau e o dedo no seu cu, poderia fazer Rodrigo gozar na hora que eu quisesse. Mas Denise queria mais. E minha buceta também.

_ Troca de lugar com ela, Rodrigo.

Não parei de chupar. Apenas tirei o dedo que o preenchia e voltei a me dedicar à cabeça do pau dele. Sai da cadeira, me ajoelhei e continuei. Aos poucos, Rodrigo foi tomando o meu lugar, se controlando ao máximo, para não me lambuzar com sua porra quente.

_ Faz um rabo de cavalo nela e puxa para cima. Mostra pra câmera a boca dela no seu pau. (Click, click!). Pronto, eu já estava transformada em uma atriz pornô e meu parceiro de cena recebia ordem da diretora para valorizar meu melhor perfil para as lentes.

_ Levanta, Liz  e fica de costas pra ele. Mexe esses quadris gata! (click, click!)

Me entreguei à música novamente. Meu corpo voltou a balançar para um lado e para o outro. Rodrigo a se masturbar.

_ Senta no meu pau, gata, ele disse.

_ Faz o que ele tá mandando, completou Denise.

Fui me abaixando devagarinho e ao ritmo da música, apoiei as duas mãos nos braços da cadeira. Senti a pica de Digo roçando minha vagina. Eu estava no controle e fui descendo devagar, até ela me preencher toda. Continuei rebolando por um instante, subindo e descendo. Mas Rodrigo não aguentava mais. Me agarrou pela cintura e me puxou para junto do seu corpo. Então abri as pernas e apoiei os pés sobre suas coxas, próximo ao joelho. Naquela posição não conseguia fazer muito. Mas ele sim. Começou a socar a pica na minha buceta como um animal feroz.

_ Vagabunda, toma minha vara! Ah, Ah, Ah!

Os dedos de Denise pareciam ter perdido o controle no botão da câmera. Os cliques tornaram-se ininterruptos. 

_ Isso, porra, soca nessa vadia, dizia ela.

_ Vem amor, goza entro de mim! Pau gostoso do caralho!

Era tudo que ele queria ouvir. 

_ Ahhhhhhhh, ahhhhhhhhh, ahhhhhhhh! 

Ele explodiu como eu nunca havia visto antes. Senti seu esperma quente invadir meu corpo. Se contorcia como se estivesse levando um choque de 220 volts. Gemia alto a cada jato de porra que deixava dentro de mim. 

_ Isso, isso, maravilha, ouvi Denise dizer.

Apoiei a nuca no peito de Rodrigo, ergui a cabeça e nossa bocas se encontraram num beijo delicioso, enquanto ele me penetrava, agora em movimentos mais lentos. 

_ Clap, clap, clap! Não vejo a hora de revelar essas fotos meus queridos, disse Denise, batendo palmas e sorrrindo.

Retribuimos as palmas com uma gargalhada gostosa. Nos olhamos novamente, e nos beijamos.

Nossos corpos suados quando se encontram, não querem se desgrudar. Não importa a situação, jamais será apenas sexo. Sempre fazemos amor. Seja a dois, românticos, em nossa cama; seja de maneira pervertida, com a cabeça em outras pessoas, fodendo com outras pessoas. Mas somos unidos pelo coração, pela alma. Então sempre será amor.

(Continua…)

Entrega – capítulo 4

_ Vamos fazer diferente. Fique em pé, de costas para mim. Apoie as mãos no encosto da cadeira.
_ Assim?
_ Isso. Que bunda linda você tem…
_ Pare, Denise, respondi sorrindo.
_ Tá bem, tá bem!

_ Então faça o seguinte. Feche os olhos. E pense em algo que te de muito tesão.
_ Meu Deus, não faço ideia.
Então percebo Rodrigo entrando no quarto.

_ Pense em André, amor. Pense nele tomando banho lá em casa. Pense em vocês dois no chuveiro.
_ André me deu tesão, muito…

Uma música ao estilo lounge com uma certa “pegada” indiana, começou a tocar vindo do notebook. E os clicks recomeçaram. Meus pensamentos voltaram no tempo. E lá estava André, comigo embaixo do chuveiro do quarto de hóspedes. Minha cintura começou a balançar, para um lado e para o outro, ao ritmo da melodia.

_ O que fizeram no chuveiro Liz? Denise provocou. (Click!)

_ Nos pegamos muito. Ele beija bem. Boca gostosa… Hum… Bati uma punheta gostosa pra ele.

Ouvi Denise dizer:

_ Abaixa o corpo gata e empina essa bunda. Não pára. (Click! Click!)

Só obedeci, sem tirar os pensamentos de André. E então, foi a vez de Rodrigo perguntar:

_ E o que mais, amor? Você deu sua buceta pra ele?
_ Não amor, mas ele tentou. Esfregou o pau pelo meu corpo todo. Apertou minha bunda. Me comeu com os dedos. Colocou o dedinho no meu cu.

_ Nossa, já estou de pau duro aqui. O que mais? (Click! Click!)
_ Mamou muito em meus seios. (Click!) Mordiscou meus bicos. Me ensaboou todinha, lentamente. Ele me pegou como você nunca fez.
_ É você mamou no pau daquele filho da puta?
_ Eu quis, mas naquela hora não aconteceu. (Click! Click!)
_ Deixa eu olhar você, Liz, Denise intercedeu.

Me virei em direção à eles. Já sentia minha buceta úmida. Naturalmente minhas pernas se abriram, como Denise anteriormente desejava.

_ Isso gata, você é divina! (click, click)

Meus dedos passaram a tocar todas as partes da minha buceta. Me contorcia e gemia baixinho, lembrando de André. Meu dedo médio naquela hora, na minha fantasia, se transformava na sua língua saboreando meu clitóris, percorrendo meus grandes, pequenos lábios. O polegar e o indicador da outra mão eram seus dentes, mordendo o bico do meu seio. (Click!)

_ Sente na cadeira, Liz.

Sentei, e olhei para baixo e vi meu corpo sob a luz dos holofotes. E então encontrei uma Liz que eu nunca havia reparado. Pude perceber detalhes de mim que antes passavam desapercebido. Eu estava linda, sentindo-me poderosa, decidida, dona de mim mesma, do meu próprio nariz, do meu destino. A responsável única pela minha própria felicidade. Nua, na mira das lentes de uma fotógrafa, percebi, então, que conseguia olhar claramente pra dentro de mim. Denise acabara não só de me despir por fora. Mas também por dentro. Por inteiro.
(Click! Click!)

_ Rodrigo, venha me ajudar. Tire sua camisa e seus sapatos. Ele vestia uma calca jeans, camisa e sapatos sociais.
_ Eu modelo? Não, por favor!

_ Venha logo, olhe pra sua mulher, cara, ela está ardendo de tesão. Você tem que foder ela, ou vai foder com nossas fotos!!!

Pensei: “Lá vem o coleguinha da classe, que adorava tomar bronca da professora exigente, pra perto de mim” (rsrsrs).

_ Quero você em pé, atrás dela, ordenou Denise.

Senti as mãos de Rodrigo acariciando meus ombros e meu pescoço.

_ Você está linda, Liz! Amo olhar pra você…

Queimando em fogo, tratei logo de cortar o romantismo dele.

_ Ama? Do mesmo jeito que amou ver André me comendo?
_ Sim, foi perfeito. Fiquei louco quando ele te pegou de quatro. Sente a língua dele na sua buceta amor. Chupando você todinha.
_ Aí, vem André, macho gostoso! Ahhh! Hummm!

Já estava completamente fora de mim. Já nem lembrava quem era Denise, muito menos Rodrigo.
Comecei a acelerar os movimentos dos dedos na minha xaninha encharcada. Rodrigo acariciava meus seios, apertava com cuidado os bicos, mordiscava minha orelha e tratava de lembrar lances da transa com André. De como ele me penetrou gostoso, depois de me chupar. Da cavalgada que dei na pica do nosso amigo, fazendo ele explodir de tesão. Não dava mais para parar. No vai e vem frenético dos meus dedos, o gozo veio. Forte, intenso. Como um choque de 2000 voltz.

Ahhhhhhhhhhhhhhh, puta que pariu, aaaaaaaaaahhhhhhhh!

Rodrigo teve que segurar a cadeira para eu não cair para o lado, tamanho o êxtase. Aos poucos, lentamente, comecei a reconhecer os cliques vindos da máquina de Denise. Rodrigo se posicionou ao meu lado, se abaixou e me deu beijo ardente na boca. Enquanto me beijava, segurei o pau dele, duríssimo, por fora da calça e comecei a massageá-lo. Sem tirar os lábios da minha boca, ele desabotoou a calça e a desceu um pouco, revelando à nossa amiga fotógrafa seu pau lindo e grande. Nossas bocas se desencontraram. Puxei Rodrigo contra mim, segurando em sua bunda.
_ Olha pra mim, filho da puta! Olha pra sua cadela. Toca uma punheta na minha cara!

(continua…)

As fotos que ilustram o capítulo pertencem e foram enviadas gentilmente pelo Casal 2.7.
Novos amigos virtuais e leitores do blog.