Pool party – capítulo 9

Do parapeito da varanda pude ver Rodrigo nadando até Milena. Enquanto ela se dedicava em sugar o pau de Christian carinhosamente, meu noivo passou a acariciá-la, e logo deu para perceber que os dedos de uma das mãos já estavam brincando com a buceta dela. Os movimentos eram tão claros que faziam nossa amiga tirar a boca do chef para gemer gostoso. Por vezes, olhava para Rodrigo com aquela cara safada em sinal de aprovação e novamente abocanhava o pau de Christian. Este por sua vez, delirava de tesão e segurava os cabelos longos de Milena, como num filme pornô, onde a câmera precisa captar o melhor ângulo da cena. E naquela hora, os espectadores eramos nós.

Era uma cena tão excitante que havia esquecido completamente de Roberto. Mas lá estava ele, concentrado no que estava presenciando, com uma das mãos segurando o copo de whiski e com a outra apalpando firme, por fora da bermuda, seu membro, em movimentos intensos. Nestas horas a cabeça não pensa, e nossos corpos são controlados unicamente pelo prazer, pelas sensações. Sai de onde estava, fiquei de frente para aquele homem que acabara de conhecer, e sem dizer uma palavra, comecei a dançar ao som da música e fazer um strip tease. A partir dali ele esqueceu quem era sua esposa, o chefe de cozinha e seu convidado. Seus olhos estavam direcionados unicamente para mim. Eu era seu brinquedo, a sua puta da boate. Cada peça de roupa que eu tirava arremessava em sua direção.

_ Você é muito mais gostosa aqui de perto! Isso meu amor tira tudo, dizia ele.

Até que sobraram apenas o salto e a calcinha.

_ Quer ela pra você?
_ Quero muito, tira quero sentir seu cheiro nela, disse ele.
_ Então me mostra o seu pau.

De uma só vez, ele tirou a bermuda e a cueca que naquela hora o incomodavam, colocando a mostra um pinto imenso e grosso, colocando por terra tudo aquilo que eu imaginei inicialmente dele. Broxa, pinto pequeno? Meu Deus, esse cara vai me arrombar!

_Você quer que eu tire, safado?
_ Quero!

_ Então mexe nele, deixa essa vara enorme dura pra mim.

Minha buceta já estava encharcada. Cheguei então bem perto dele e me virei de costas, abaixando a coluna e empinando minha bunda para que pudesse apreciar meu corpo pelo ângulo mais gostoso. O copo de whiski já havia desaparecido e duas mãos agora me acariciavam. Então, ao movimento da música gostosa que nos guiava, sentei no colo de Roberto, ainda de calcinha, roçando aquele pau enorme no meio de minhas pernas. Ele tremia e se segurava no braço da cadeira. Em certos momentos me abraçava apalpando os seios. E de costas para Roberto pude ver o que acontecia com as outras pessoas da casa. Naquele momento, vi meu homem e o chef de cozinha em pé, um de frente para o outro, enquanto Milena, de joelhos, preocupava-se em punhetar e sugar ambos os membros, alternadamente, dentro de sua boca. Uma cena maravilhosa de se ver. Dois machos nus e sarados sendo devorados por uma coroa igualmente gostosa e pervertida.

Naquela hora já não havia mais ciúmes. O ambiente exalava prazer, tesão, satisfação!

Minha xaninha ardia de tesão e só um pau dentro dela faria-a acalmá-la. E ele estava ali, duro no meio de minhas pernas. Na mesa próxima, um punhado de preservativos estrategicamente aguardando para serem usados. Me levantei e, como prometido, tirei a calcinha e a arremessei para aquele macho sedento por sexo. Com um sorriso ele agradeceu e a levou até seu nariz, extasiado.

Me ajoelhei em frente a ele e comecei a mamar naquele pau grande e cheiroso apenas para deixá-lo em ponto de bala. Então, de frente, sentei no seu colo, fazendo com que ele me preenchesse por completo. Nossas bocas se encontraram; suas mãos em minhas nádegas serviram de apoio para que eu pudesse comandar o entra e sai do seu pau gostoso. Como isso é bom! Iniciar as estocadas ao ritmo da música em movimentos suaves; para então, momentos depois, acelerar, e novamente diminuir. Você vai fazer um cara nunca mais esquecer daquela trepada.

Roberto estava alucinado. Beijava minha boca e meus seios como se eu fosse a mulher dele. Nas horas em que eu acelerava os movimentos, ele me agarrava com força como se aquilo o fizesse controlar o orgasmo.

_ Ainda não, eu quero muito dessa pica gostosa!
_ Vem bebê, como rebola gostoso, disse ele, inclinado meu corpo um pouco para trás e segurando meus cabelos.

Definitivamente, acabava de aprender que quando o sexo é bom, quando o cara sabe te deixar louca, o corpo é o que menos importa. Esqueci do mundo sentada naquele macho gostoso. Mas logo lembrei do meu homem, aquele que vai me comer o resto da vida.

E lá estava ele, agora num delicioso 69 com Milena à beira da piscina. Christian de pé, em frente a ela, exibindo sua ferramenta dura, segurava seus cabelos como um rabo de cavalo. Ela, como um agradecimento, em determinados momentos, levantava o tronco e também o presenteava com sua boca gulosa. Mas peripécias sexuais num chão duro à beira da piscina não devem ser nada agradável, e não demorou muito para que eles deixassem a área externa. E foi naquele momento em que Digo pode finalmente prestar atenção no que eu estava fazendo.

(continua…)